MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

Gestora de Projetos Comunitários

31/07/2021 08:01

"Ele ama-me, não fez por mal. Eu é que não devia ter feito o que fiz. Nem devia ter dito aquelas coisas, provoquei-o. A culpa foi minha.", diz ela.

Mais uma bofetada. Era só uma.

"Chamou-me de tudo. Dizia que eu sabia que era o que eu queria, que estava a pedi-las desde que olhei para ele naquela festa. Depois de me ter violado, atirou-me do carro como se fosse lixo."

"Ainda tenho pesadelos; tenho medo de encontrá-lo."

"Tenho medo que me mate, mas não posso fugir. Vou fugir para onde?"

Mais uma morte. Mais uma mulher.

"Pensava que, quando ia para o trabalho ou para algum lado, me ia encontrar com um homem e começou a ficar violento. Quando chegava a casa agredia-me verbalmente. Depois começou a agredir-me fisicamente. Dava-me pontapés e bofetadas na cara, puxava-me os cabelos."

"Só parou porque apresentei uma queixa-crime. Na altura, não conseguia ir sozinha a nenhum lugar, tinha sempre medo que ele estivesse lá. O meu pai ia levar-me e buscar-me ao trabalho."

Para as mulheres que passam por situações semelhantes aos testemunhos que aqui partilho, quero apenas deixar um conselho a todas as vítimas que, neste momento, sofrem em silêncio: Não permitam sequer a primeira bofetada.

A agressão não é um ato de amor, é violência. Justificar que o ciúme acontece porque 'nos amam demasiado' não é amor, é violência. Acreditar que 'ele vai mudar' é uma ilusão; quem agride uma vez, agride sempre, é uma questão de tempo.

Uma bofetada, um pontapé, um insulto. Não é 'só mais um'. É mais um do que deveria ser permitido. A culpa não é sua, é de quem lhe bate. A culpa é de quem a agride. Não tem nada a ver com as suas escolhas. É ele que interfere na sua liberdade, nas suas escolhas, é ele que não a respeita.

Ninguém pede para ser agredido. Ninguém merece. E se alguém lhe diz que merece, está a enganá-la, a manipulá-la. A vida é sua, o corpo é seu, não é propriedade dele.

Não tenha medo, não se esconda. Peça ajuda, por favor. Não deixe que estes agressores calem mais uma mulher. Não desista de si própria. Não está sozinha.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Concorda com a mudança regular da hora duas vezes por ano?

Enviar Resultados
RJM PODCASTS

Mais Lidas

Últimas