MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

26/09/2022 08:00

3 anos de pura desilusão, de promessas por cumprir, 3 anos de oportunidades perdidas para transformar a Região numa Madeira Melhor e num Porto Santo Melhor.

Com uma grave pandemia pelo meio, a publicidade do Governo Regional foi o que mais se ouviu. Ouvimos que erámos os melhores do mundo, os pioneiros nesta e naquela medida, que tudo estaria controlado! Enfim, chegava a ser confrangedor tanto autoelogio. O certo é que a pandemia atingiu-nos do mesmo modo que atingiu todas as regiões do planeta. Com violência, com muito sofrimento, associada a uma crise financeira gravíssima. Para combater a crise financeira, a UE apresentou um plano de recuperação e resiliência, com muitos milhares de milhões de euros, para que a Europa não só resista da melhor forma aos impactos desta crise, como também para capacitá-la para futuras situações igualmente graves.

Fruto desse plano, o Governo da República decide (e bem) duplicar as verbas que seriam expectáveis para as regiões autónomas. Foi-nos dada uma oportunidade de ouro para transformar a região numa região melhor, mais moderna e acima de tudo, mais sustentável em todas as áreas.

Seria importante haver uma estratégia que garantisse a modernização da região, que nos tirasse da sistemática situação de região pobre (ou melhor, cheia de pobres), que diversificasse a nossa economia, aumentando assim a nossa capacidade de resistir aos infortúnios dos tempos. Mas não, vemos planos e mais planos elaborados pelo Governo Regional, a bater sempre na mesma tecla, mais obras públicas.

Entretanto a guerra na Ucrânia, vem complicar a crise que o mundo tentava travar. Uma crise de combustíveis sem precedentes, crise no fornecimento de cereais e outros bens essências, fazem disparar a inflação. Para combater esta inflação, os juros do BCE disparam, agravando assim a gestão dos parcos orçamentos das famílias. Entretanto, os governos, frutos desta escalada de preços (e da recuperação económica e do emprego que se assistia) disparam na coleta fiscal. Na República, o Governo apresenta um plano de apoio às famílias e às empresas, de modo a minimizar os efeitos da crise. Na Madeira o que é feito? Nada, absolutamente nada. O Governo Regional enche os cofres (talvez esteja a amealhar para as esmolas que costuma distribuir em anos eleitorais) e não apresenta qualquer medida de apoio às famílias. Medidas que fossem complementares às da República, de modo a compensar o custo de vida agravado pela insularidade.

Enfim, passados 3 anos, pouco ou nada melhorou na nossa região, até existiram setores onde se verificaram agravamentos, como é o caso da saúde, com a duplicação das listas de espera em apenas 3 anos, ou no que diz respeito aos indicadores de pobreza que colocaram a região na cauda do país com mais de 80.000 madeirenses em situação de risco de pobreza e exclusão social, tudo isso e muito mais associado a um aumento da dívida pública regional, em claro contraciclo com o restante país.

Perdemos tempo, perdemos o comboio da evolução, estamos a ficar para trás. Precisamos rapidamente de um novo rumo, de novas estratégias que coloquem a região onde merece estar, no topo do nosso país em todas as áreas. Precisamos de melhor economia, melhores empregos e qualificações, melhor saúde, mais e melhor cultura.

Precisamos de uma Madeira Melhor, liberta dos vícios e compadrios do passado que tendem a ficar agarrados com mais força que uma lapa numa rocha.

OPINIÃO EM DESTAQUE
Coordenadora do Centro de Estudos de Bioética – Pólo Madeira
11/04/2024 08:00

A finitude da vida é um tema que nos confronta com a essência da nossa existência, levando-nos a refletir sobre o significado e o propósito da nossa passagem...

Ver todos os artigos

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Concorda com a mudança regular da hora duas vezes por ano?

Enviar Resultados
RJM PODCASTS

Mais Lidas

Últimas