MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

Presidente da Académica da Madeira

25/08/2022 08:00

Muitas vezes isso não acontece pelo facto de muitas empresas valorizarem mais a experiência do que a capacidade de inovação ou outras competências adquiridas fora do currículo formal, como é o caso das soft skills. Nem sempre são dadas oportunidades aos estudantes que acabaram de se graduar para poderem exercer o conhecimento adquirido ao longo do curso. Como é que um recém-graduado teve tempo para obter a experiência muitas vezes exigida no mercado de trabalho, quase de forma imediata? Não tem outra alternativa senão procurar outras ofertas de emprego, por vezes fora da área em que estudou e com um salário desadequado, o que acaba por ser um fator desmotivador.

Não surpreende que dados de 2021, do Eurostat, indicam que Portugal é o país da União Europeia (UE) em que os jovens saem mais tarde da casa dos pais, aos 33,6 anos, enquanto a média europeia situa-se nos 26,50 anos. A Suécia assiste ao comportamento contrário, com a saída dos filhos a ocorrer por volta dos 19 anos, pouco depois da entrada na Universidade.

A falta de capacidade financeira para ter uma vida autónoma em Portugal é um reflexo das dificuldades que qualquer jovem enfrenta no início da vida profissional, depois de superada a dificuldade de colocação num emprego da sua área de formação. Não se trata da falta de desejo dos licenciados em terem a sua própria casa, mas da incapacidade económica para manterem uma vida sem o apoio dos progenitores.

A vida profissional parece mais um pesadelo do que um sonho, acrescendo o fato de Portugal ter uma baixa combinação de estudo e trabalho entre os jovens. Enquanto que nos Países Baixos quase 58% dos estudantes têm atividade profissional, sendo a média da União de 18,4%, em Portugal esse valor desce para 10%, de acordo com dados do gabinete de estatística da UE.

Parece, portanto, que o problema inicial da exigência de experiência profissional poderia ser mitigado pela combinação da atividade letiva com uma carreira profissional, mesmo que fora do escopo do curso. Continuamos a ser um país que não incentiva a atividade laboral durante os cursos, nem faculta ferramentas adequadas para essa conjugação permitindo o mérito académico que deve ser sempre protegido. No fim, o pesadelo de não arranjar emprego, o problema de residir em casa dos pais e não ter experiência profissional é fomentado por um sistema que deixa de lado o incentivo para que o jovem possa, desde cedo, ganhar recursos, experiência e autonomia. É necessário um sistema que corrija essas assimetrias que os estudantes enfrentam.

OPINIÃO EM DESTAQUE
Coordenadora do Centro de Estudos de Bioética – Pólo Madeira
11/04/2024 08:00

A finitude da vida é um tema que nos confronta com a essência da nossa existência, levando-nos a refletir sobre o significado e o propósito da nossa passagem...

Ver todos os artigos

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Concorda com a mudança regular da hora duas vezes por ano?

Enviar Resultados
RJM PODCASTS

Mais Lidas

Últimas