MADEIRA Meteorologia

Morreu a escritora Filomena Marona Beja, grande prémio APE em 2007

Data de publicação
02 Janeiro 2024
14:17

A escritora Filomena Marona Beja, de 79 anos, morreu na passada sexta-feira em Lisboa, tendo sido já realizadas, no último domingo, as cerimónias fúnebres, em Rio de Mouro, Lisboa, anunciou a sua editora.

A escritora encontrava-se internada no Hospital de S. José, em Lisboa, onde morreu, disse à agência Lusa o editor Marcelo Teixeira, tendo-se realizado as cerimónias fúnebres no passado domingo, em Rio de Mouro, no concelho de Sintra, onde a escritora residia desde 1967.

Filomena Marona Beja fez a sua estreia literária em 1998, com o romance “As Cidadãs”. Seguiram-se cerca de duas dezenas de obras, dispersas por géneros como o romance, o conto, a novela e a crónica.

Em paralelo, colaborou em várias publicações, nomeadamente para edições promovidas pela Associação Abril em Maio e pela Casa da Achada.

Publicada em Portugal e no estrangeiro, a escritora foi distinguida com o Grande Prémio de Literatura dst, em 2006, pelo título “A Sopa” e, no ano seguinte, com o Grande Prémio de Romance e Novela, da Associação Portuguesa de Escritores, por “A Cova do Lagarto”.

Nesta obra, Marona Beja aborda a ditadura do Estado Novo e a transformação urbana do país, através de Duarte Pacheco, “o mítico e misterioso ministro das Obras Públicas” de Oliveira Salazar, conforme a apresentação da obra.

Na sua estreia literária com “As Cidadãs”, Filomena Marona Beja situou a ação no início do século XX, através da protagonista e da sua vida ligada à situação social e política do país, no termo da monarquia e na alvorada da I República, prestando atenção particular à condição da mulher na sociedade portuguesa da época.

Filomena Marona Beja nasceu a 09 de junho de 1944 em Lisboa, estudou no Lycée Français Charles Lepierre, também na capital, e na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, tendo desenvolvido a sua atividade profissional na área da documentação técnico-científica.

Da sua bibliografia constam obras como “Betânia” (2000), “A Duração dos Crepúsculos” (2006), “Bute Daí Zé” (2010), “Histórias Vindas a Conto” (2011), uma coletânea ilustrada com fotografias de André Beja, “Eléctrico 16” (2013), “Franceses Marinheiros e Republicanos” (2014), conjunto de novelas ilustrado pela artista plástica Maria José Ferreira, “Um Rasto de Alfazema” (2015), e “Avenida do Príncipe Perfeito” (2016).

Em abril de 2018 publicou “De Volta (aos contos)”.

“O património literário e humano que nos deixa é um exemplo maior de denúncia das injustiças sociais e constitui um grito vivo de defesa dos ideais de liberdade e de solidariedade, pelos quais sempre lutou e que abnegadamente defendeu”, destaca a editora Parsifal, referindo-a como “uma das vozes mais singulares da literatura portuguesa”.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

O presidente do Marítimo tem condições para continuar no cargo após agredir um adepto?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas