PS quer renovação da frota pesqueira e reivindica apoios aos pescadores

O presidente do PS-Madeira visitou esta tarde a Festa do Peixe-Espada Preto, que decorre na baía de Câmara de Lobos, e aproveitou a ocasião para lamentar o facto de muitas das embarcações de pesca terem já várias décadas, encontrando-se obsoletas e não garantirem as condições adequadas de operacionalidade e de segurança, considerando fundamental que o Governo Regional dê atenção a esta matéria.

Sérgio Gonçalves criticou as prioridades invertidas do Executivo, constatando o facto de não terem sido alocadas quaisquer verbas do Plano de Recuperação e Resiliência para a valorização e manutenção desta vertente do setor primário. "O Governo Regional decidiu, num total de 561 milhões de euros, não alocar qualquer montante para nenhum projeto neste âmbito, mas, paradoxalmente, prepara-se para afundar, desnecessariamente, 175 milhões de euros no prolongamento da Pontinha, quando o setor piscatório atravessa profundas dificuldades", disse, acrescentando que "os madeirenses, e neste caso particular os pescadores e armadores, não entendem nem aceitam esta opção e esta fixação do Governo PSD/CDS em prosseguir, a todo o custo, com esta política do betão".

O líder dos socialistas madeirenses lembrou ainda que o PS tem vindo a apresentar diversas propostas em defesa do setor das pescas, lamentando que a maioria que suporta o Executivo continue, de forma deliberada e irresponsável, a rejeitar todas elas, pelo simples facto de serem apresentadas pela oposição. "Os interesses dos pescadores são secundarizados pela arrogância desta maioria em 'chumbar só porque sim'", acusou Sérgio Gonçalves.

Entre as iniciativas apresentadas pelo PS, a par da necessária renovação da frota, o líder socialista deu o exemplo do projeto de decreto legislativo regional que previa a criação de um apoio a pescadores e associações de pescadores para implementação do projeto cabaz do pescado. Tratava-se de uma medida que tinha em vista incentivar os circuitos curtos de comercialização do pescado, através da aproximação entre pescadores e consumidores e a venda do produto resultante da saída para o mar a um preço mais justo para todas as partes envolvidas. Mas, à semelhança de muitas outras, não foi tida em conta. A construção de arrecadações para que os pescadores de Câmara de Lobos possam guardar e arrumar os seus materiais e a melhoria das condições das lotas têm sido temas também levantados pelo PS, que lembra ainda a promessa não cumprida de construção do porto de pesca.