MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

17/04/2024 08:00

Tal como era espectável, a Madeira e o Porto Santo são chamados mais uma vez para eleger a Assembleia Regional, e consequentemente um novo governo. Era a decisão mais esperada, e estando tomada, é o caminho a seguir.

É a democracia a funcionar, pois é necessário haver uma consulta popular perante os acontecimentos que levaram à demissão de Miguel Albuquerque enquanto Presidente do Governo.

O que não era de esperar é que PSD fosse decidir recandidatar precisamente Miguel Albuquerque para um novo mandato. Pois se não tinha condições quando decidiu se demitir, continua sem ter, tendo em consideração que o processo judicial continua em curso.

Considero, portanto, uma irresponsabilidade por parte do PSD, que diz agora que Albuquerque tem condições para ser novamente candidato a presidente, uma vez que continua constituído arguido num processo que envolve atos de corrupção no exercício de funções públicas.

Por outro lado, as eleições que irão ocorrer a 26 de maio são eleições onde está tudo em pratos limpos, ou seja, as ameaças que o PS tem vindo a alertar já aconteceram e já foram experienciadas pela população, de modo que, já não se pode dizer que não se sabia.

A 26 de maio está em jogo manter tudo como está, com o PSD e Miguel Albuquerque, ou efetivar uma mudança política na região com o PS e Paulo Cafôfo a Presidente. Muito honestamente não há mais nenhuma alternativa para governar a Região.

Tal como o Partido Socialista vem dizendo, não votar ou votar em partidos alternativos, é na nossa Região, a mesma coisa que votar no PSD. Isso já está comprovado, em 2019 começou com o CDS, em 2023 acrescentou-se o PAN, mas também, com o Iniciativa Liberal a se oferecer logo na noite eleitoral, enfim, agora em 2024, até o Chega está à espera de ser o próximo fiel da balança para se juntar ao PSD, ou não fossem os seus membros maioritariamente do próprio PSD.

Não é concebível que estejamos a caminho de 50 anos de um só partido no poder regional. Isto não é saudável, não traz liberdade, antes pelo contrário, promove compadrios, promove a concentração de riqueza em apenas alguns, e é por isso que, por muito que se tente disfarçar, a Madeira é a região do país com os mais altos níveis de pobreza.

O que se assistiu agora recentemente com o saneamento de funcionários afetos ao PSD, que apoiaram a lista perdedora, é apenas uma amostra do que o povo madeirense tem sofrido na pele ao longo de anos por não serem do PSD. De maneira que, no dia 26 de maio é o momento certo para darmos uma resposta e mudar este ciclo.

Nos 50 anos do 25 de abril, Dia da Liberdade, será significativo podermos libertar a região destas amarras representadas pelo PSD. Podermos gritar bem alto na rua por Liberdade, por um novo tempo de esperança para a Região, com melhores salários, com melhores condições de vida, com mais habitação e com mais saúde.

A alternativa governativa não é o Partido Chega de Miguel Castro que representa o conservadorismo, um retrocesso de liberdades e garantias para a população, que fala em corrupção, mas não apresenta medidas concretas e viáveis para combater. Todos nós queremos o combate à corrupção ninguém tenha dúvidas sobre isso.

É por isso que o apelo que faço vai no sentido de não procurarem desculpas e mais desculpas para não votar, não procurarem desculpas e mais desculpas para simplesmente protestar, no dia 26 de maio, no ano dos 50 anos do 25 de Abril, vamos virar a página na Região e o voto que muda a Região é o voto no Partido Socialista.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem acha que vai governar a Região após as eleições de 26 de maio?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas