MADEIRA Meteorologia

Andreia Caetano alerta para crescimento exponencial da dívida da Câmara do Funchal

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
28 Abril 2023
18:44

A dívida do município do Funchal sofreu um aumento exponencial na ordem dos 66,6% em apenas ano e meio, passando dos 27 milhões de euros deixados em 2021, para 45 milhões de euros em 2022.

O alerta foi deixado pela representante do grupo municipal do PS-Funchal durante o debate das contas da edilidade funchalense, hoje, em Assembleia Municipal, ocasião na qual lembrou que o anterior executivo da coligação Confiança "recuperou a dívida do PSD de 110 milhões de euros, reduzindo-a para 27 milhões".

"Agora a dívida quase duplicou", disse, antevendo que, "pelo caminho que vai, [Pedro Calado] vai bater o seu próprio recorde de endividamento do município".

E a situação é muito mais grave quando, "campeão de nomeações e dívidas, o senhor presidente se torna também no recordista da cobrança fiscal", afirmou Andreia Caetano, sublinhando que "os funchalenses nunca pagaram tantos impostos como em 2022".

"Temos a maior coleta de impostos de sempre, que ascende a 16 milhões de euros", frisou, para condenar de seguida a "forma falaciosa" como as contas da Câmara foram apresentadas.

De acordo com Andreia Caetano, os resultados verificáveis na prestação de contas em apreço, e que mereceu a abstenção do grupo municipal socialista, refletem o "expectável esquecimento dos compromissos" assumidos pelo atual edil do Funchal.

"Não só não houve o prometido reforço dos apoios sociais, como até diminuíram", criticou a deputada municipal, apontando "mais uma promessa gorada" no que respeita à criação de novos postos de trabalho, "cuja despesa associada reduziu no ano de 2022 face a 2021".

Sobre a alegada saúde financeira e orçamental do Município, notou que "os fornecedores não recebem a tempo e horas."

"E a taxa de execução do orçamento para o Plano Plurianual de Investimentos só se cifra na ordem dos 62 por cento porque foram descabimentados investimentos e colocados 8 milhões de euros como ativos financeiros", denunciou.

Andreia Caetano deixou claro que tal situação "não fica a dever-se a qualquer exercício de rigor e eficiência do Executivo camarário", ficando a dever-se sim "às obras deixadas no terreno pela vereação anterior".

Quanto às provisões, Andreia Caetano pediu esclarecimentos adicionais e lamentou que, com a resolução do litígio que opunha a Câmara Municipal do Funchal e as Águas e Resíduos da Madeira (ARM), só os munícipes tenham ficado a perder.

"Estão a cobrar mais pela água aos funchalenses e a pagar menos à ARM", afirmou, para depois concluir que Pedro Calado "não tem qualquer marca para deixar na cidade além dos recordes já referidos".

Daniel Faria

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Há condições para o Orçamento da Região ser aprovado esta semana?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas