MADEIRA Meteorologia

Quatro doentes morreram nos cuidados intensivos em Gaza por falta de oxigénio

Data de publicação
16 Fevereiro 2024
9:26

Quatro pacientes que estavam internados nos cuidados intensivos do principal hospital do sul de Gaza morreram por falta de oxigénio, anunciaram as autoridades de saúde locais, que denunciaram o caos provocado pelo ataque israelita àquela unidade.

Segundo o Ministério da Saúde de Gaza, o hospital estava a ser revistado por tropas israelitas que disseram acreditar que os restos mortais dos reféns sequestrados pelo Hamas possam estar ali localizados.

Os militares ordenaram os mais de 460 funcionários, pacientes e seus familiares a mudarem para um edifício antigo do complexo que não está equipado para tratar doentes, segundo a mesma fonte.

Os quatro pacientes na unidade de cuidados intensivos morreram porque a eletricidade foi cortada, interrompendo o fornecimento de oxigénio.

A operação ocorreu depois de as tropas terem cercado o Hospital Nasser, na cidade de Khan Younis, no sul, por quase uma semana, com funcionários, pacientes e outras pessoas no interior a lutar contra os ataques e com bens escassos, incluindo comida e água.

Horas antes de as tropas tomarem o hospital, na quinta-feira, o fogo israelita matou um paciente e feriu outros seis dentro do complexo, disseram funcionários.

O Hospital Nasser foi o mais recente de uma série de hospitais que as forças israelitas sitiaram e invadiram durante a guerra, alegando que o Hamas os estava a usar para fins militares. Os ataques destruíram o setor da saúde de Gaza, que luta para tratar um fluxo constante de pessoas feridas em bombardeamentos diários.

O direito internacional proíbe atacar instalações médicas, embora estas possam perder essas proteções se forem utilizadas para fins militares. Mesmo assim, Israel deve tomar precauções e seguir princípios de proporcionalidade, afirmou o Gabinete de Direitos Humanos da ONU, acrescentando que “como potência ocupante” Israel tem o dever de manter instalações médicas.

Enquanto isso, as negociações sobre um cessar-fogo em Gaza parecem ter parado e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, recuou relativamente à visão dos EUA para o pós-guerra - particularmente os apelos à criação de um Estado palestiniano.

Depois de falar durante a noite com o presidente Joe Biden, Netanyahu escreveu na rede social X (antigo Twitter) que Israel não aceitará “ditames internacionais relativos a um acordo permanente com os palestinianos”.

Disse ainda que, se outros países reconhecessem unilateralmente um Estado palestiniano, isso seria uma “recompensa ao terrorismo”.

Netanyahu prometeu continuar a ofensiva e expandi-la para a cidade de Rafah, em Gaza, perto do Egito, até que o Hamas seja destruído e dezenas de pessoas feitas reféns durante o ataque de 07 de outubro sejam libertados.

No telefonema, Biden voltou a alertar Netanyahu relativamente a um avanço de uma operação militar em Rafah antes de apresentar um “plano credível e executável” para garantir a segurança dos civis palestinianos, disse a Casa Branca.

OPINIÃO EM DESTAQUE
Coordenadora do Centro de Estudos de Bioética – Pólo Madeira
11/04/2024 08:00

A finitude da vida é um tema que nos confronta com a essência da nossa existência, levando-nos a refletir sobre o significado e o propósito da nossa passagem...

Ver todos os artigos

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Concorda com a mudança regular da hora duas vezes por ano?

Enviar Resultados
RJM PODCASTS

Mais Lidas

Últimas