MADEIRA Meteorologia

Rogério Gouveia diz que rejeição de Programa seria servir “interesses particulares”

Alberto Pita

Jornalista

Data de publicação
18 Junho 2024
17:20

Depois da Educação, a apreciação do Programa do Governo debate agora o setor das Finanças.A abertura da discussão deu-se com uma intervenção de Rogério Gouveia, secretário regional das Finanças, que começou por sublinhar que o Governo Regional registou, em 2023, “a maior receita fiscal de sempre, apesar de ter tido, também, a maior redução de impostos de sempre”.

Para o governante, o equilíbrio permitiu que a Madeira apresentasse hoje “contas saudáveis”, fundamental para manter o controlo das contas certas e garantir um processo “transparente” na verificação das finanças regionais, como comprovam as publicações periódicas.

Por outro lado, disse que a redução da “despesa pública” tem permitido atingir “excedentes” orçamentais.Depois, entrou na política fiscal e, nesse sentido, renovou que “em sede das medidas de IRS, incluindo o IRS jovem”, o Governo Regional assume o compromisso de esgotar a aplicação do diferencial de 30% até ao 8.º escalão, assegurando uma taxa máxima de imposto de 10,5% para os jovens até aos 35 anos, de forma a promover a atração e fixação de jovens qualificados na Região”.

De acordo com Rogério Gouveia, “o Governo Regional compromete-se, também, a manter a aplicação do diferencial máximo de 30%, caso o Governo da República reduza progressivamente a taxa geral de IRC vigente, conforme previsto no seu Programa de Governo”.

“O Governo Regional continuará a defender, igualmente, a redução das taxas do IVA em vigor na Região, através do regime de capitação simples, de acordo com a proposta de revisão da Lei das Finanças das Regiões Autónomas, empenhando-se, igualmente, pela redução da taxa de IVA da eletricidade”.

Neste âmbito, o Programa de Governo determina a redução, ao diferencial máximo permitido, da taxa de IVA reduzida – que se aplica aos bens e serviços essenciais, que passa de 5% para 4%, como já anunciado.

O Governo Regional admite baixar todas as taxas de IVA, mas só e quando alteradas as regras constantes da Lei das Finanças Regionais.

No final da sua intervenção, Rogério Gouveia disse não conceber que “um conjunto de medidas coerentes e impreteríveis possam ser postas em causa, apenas para defender interesses particulares que não merecem o apoio da população e que prejudicam bastante o seu bem estar”.

“E não podem os deputados a quem cabe representar o povo de que são parte, deixar de aprovar as medidas que, não só garantem melhorias efetivas nas condições de vida, como também as suas expectativas num futuro melhor”, referiu.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem vai ganhar o Europeu?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas