MADEIRA Meteorologia

PS: Chumbo do Programa do Governo é responsabilidade de Albuquerque que assegurou viabilidade

Data de publicação
16 Junho 2024
11:22

O presidente do PS/Madeira, Paulo Cafôfo, afirmou hoje que o eventual chumbo do Programa do Governo é da responsabilidade do presidente do executivo, Miguel Albuquerque (PSD), que garantiu ter condições para formar governo e para aprovar o documento.

“Há aqui uma responsabilidade que me parece absolutamente clara nesta situação criada aqui na região, que é a responsabilidade de Miguel Albuquerque”, considerou Paulo Cafôfo, acrescentando que o social-democrata deu as garantias de que “tinha condições para não só formar governo, mas também para este governo passar na moção de confiança”.

Em declarações à agência Lusa sobre o Programa do Governo, que será discutido entre terça e quinta-feira, correndo o risco de ser rejeitado se PS, JPP e Chega mantiverem o sentido de voto contra, o socialista frisou que “essas garantias, afinal, não eram reais e Miguel Albuquerque mentiu aos madeirenses”.

Em 29 de maio, antes de ser indigitado, Miguel Albuquerque afirmou que não iria ter problemas na aprovação do Programa do Governo e do Orçamento Regional, perspetivando o apoio dos partidos que se dizem “antissocialistas”.

Também o representante da República para a região, Ireneu Barreto, quando decidiu indigitar Albuquerque, disse que “a solução apresentada pelo partido mais votado, o PSD - que tem um acordo de incidência parlamentar com o CDS e a não hostilização, em princípio, do Chega, do PAN e da IL - terá todas as condições de ver o seu Programa aprovado na Assembleia Legislativa”.

“Agora veremos o que acontecerá e, como digo, compete a Miguel Albuquerque, que garantiu aos madeirenses que esta moção de confiança passava, encontrar a solução para a Madeira não cair mais uma vez numa situação de eleições que, na minha opinião, os madeirenses não desejam”, vincou Paulo Cafôfo.

O presidente do PS/Madeira e líder parlamentar do partido na Assembleia Legislativa Regional referiu ainda que a instabilidade não começou só agora, reiterando que teve início em fevereiro, “quando Miguel Albuquerque não deixou que se debatesse e houvesse condições para se aprovar o orçamento”.

Cafôfo disse estar “muito preocupado com este clima de instabilidade”, mas considerou que o PS “assumiu a sua responsabilidade”.

“Nós, quando fomos à audiência com o representante da República, apresentamos uma solução governativa. E essa solução governativa com o JPP não foi aceite. A partir desse momento, o Partido Socialista, aquilo que fez foi aceitar e cumprir o seu papel de oposição e de liderar a oposição”, sustentou.

O líder dos socialistas madeirenses reiterou que não tem confiança neste executivo, justificando que “é constituído pelas mesmas pessoas, as pessoas que não conseguiram resolver os problemas graves que a Madeira tem, não será agora que irão resolver”.

A rejeição do Programa do Governo para o mandato 2024-2028, que será discutido entre terça e quinta-feira, fará com que o Governo Regional fique em gestão até que um novo seja nomeado ou até que haja novas eleições antecipadas, apenas possíveis nos inícios de 2025.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem vai ganhar o Europeu?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas