Não nos arrastem para o fundo

Antes da maioria absoluta, António Costa e o Partido Socialista foram apresentando como desculpa, para não aprovar certas medidas no Orçamento de Estado, o facto de dependerem do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista para o documento passar na Assembleia.

Era a desculpa oportuna para fazer de conta que não estavam contra as medidas que o PSD/Madeira reivindicava.

Mas agora os socialistas têm maioria absoluta na Assembleia da República.

E o que foi a primeira desculpa? A de que o Orçamento para este ano, 2022 só seria para meio ano, porque o governo de Costa só tomou posse em março de 2022.

Chegamos ao debate o Orçamento de Estado para 2023.

E o que vemos?

O mesmo de sempre. Um Partido Socialista da Madeira a fingir que tudo está perfeito. Que o Governo nacional vai apoiar a Madeira. Carlos Pereira até consegue o contorcionismo de afirmar que este Orçamento de Estado favorece a Região!

O líder regional, Sérgio Gonçalves é um homem em silêncio, sem voz, encolhido para ver se ninguém dá por ele.

Como é possível estar confortável com várias discriminações evidentes? Como, por exemplo, vê o que fizeram com a Universidade da Madeira?

Mais do que o ridículo valor acrescentado à nossa Universidade (300 mil euros), o que choca é o contraponto com o que foi proposto pelo PS relativamente à Universidade dos Açores: um protocolo para apoia-la em mais 5,6 milhões de euros!

Somos contra o apoio à Universidade dos Açores? Claro que não. Antes pelo contrário.

Mas o descaramento não tem limites.

Este domingo, Carlos Pereira, deputado Socialista que suporta António Costa, plantou a notícia de que reuniria esta segunda com o Reitor da Universidade.

Para quê? Porque está preocupado com a UMa!

Porque defende que deve existir um acordo tripartido, UMa, Governo de Portugal e Governo Regional, para reforçar o financiamento da nossa Universidade, como aconteceu com a dos Açores.

Que desfaçatez! Que estratagema! Que manobra de diversão para fazer de conta que está preocupado, quando acabou de votar contra isso mesmo na Assembleia da República!

Uma vergonha!!

E o Programa Regressar? Como é possível estarem calados? Face às críticas de que o Programa (que visa apoiar os emigrantes portugueses) estava a ser aplicado apenas aos emigrantes nascidos no continente, o que fizeram agora? Colocaram no Orçamento de Estado que essa é uma responsabilidade dos Orçamentos das regiões para os portugueses das ilhas!

Uma vergonha! Um insulto aos nossos emigrantes. Uma afirmação clara de que para o PS os portugueses da Madeira e dos Açores são portugueses de segunda!

E o que diz o PS/Madeira? Nada. Cala a boca. Aprova! Concorda!

E o que devemos pensar sobre o prometido subsídio de mobilidade?

Não tenho qualquer dúvida de que nos andam a enganar há muito tempo!

No fim de contas, o que está aqui em causa é a nossa vontade de não sermos arrastados pelo país dos socialistas, para o rabo da lancha. Para depois da Roménia!

Confirmando-se as mais recentes previsões de outono da Comissão Europeia, 2024 será o ano em que a Roménia – que já foi o país mais pobre de entre os 27 Estados-membros – ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da EU.

Com o que nós Madeirenses, com o que nós Social Democratas nunca nos contentaremos é com este alegre empobrecimento.

Temos o direito a recusar sermos arrastados para depois da Roménia.

Devemos continuar a manifestar a nossa indignação, o nosso repúdio por esta “festa” socialista, que nos últimos sete anos empurra o país para o fundo do poço!

A Madeira não quer isso! Os Madeirenses têm a perseverança suficiente para continuar a lutar contra isto!