MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

18/10/2022 08:00

Já todos conhecemos bem o temperamento irrequieto de Marcelo Rebelo de Sousa.

O país conhece bem a sua maneira de ser e o estilo.

Porém, neste mês em que se assinalou o 5 de outubro, tudo destrambelhou.

Desde esse dia que o Presidente da República portuguesa desenfreou numa catadupa de declarações que o fizeram falar de tudo e mais alguma coisa.

Foi a Malta e na capital, La Valletta, desatou a falar sobre o Orçamento de Estado português, mesmo antes de este ter sido aprovado em Conselho de Ministros.

De lá gritou que "é importante os portugueses saberem que o Governo não prevê recessão no próximo ano, nem que a guerra tenha consequências com a dimensão e o risco que outras economias estão a atravessar".

Mas não contente, ainda foi dizendo que era importante o Governo anunciar quais as suas previsões para o quadro macroeconómico para o ano que vem.

Depois disso, à saída de uma audiência com o Presidente de Malta, Marcelo veste a pele de pai do Governo e volta a falar do estrangeiro para o seu país - sobre o Orçamento de Estado!

Num rasgo de profundo conhecedor das contas públicas e de verdadeiro analista macroeconómico, joga com pensamentos precisos como este: "Os números deste ano parecem-me realistas, o crescimento para que se aponta e a inflação. Para o ano que vem, o crescimento provavelmente é realista com um empurrão deste ano, a inflação é porventura mais questionável, mas não é impossível".

Tudo isto visto a partir do estrangeiro, sobre um orçamento que o executivo de António Costa ainda ia aprovar em 9 de outubro.

Mas lá viajou para Nicósia, no Chipre. E aí fez mais considerandos sobre o documento, atirando com frases que procuram defender o governo, num tema em que nem o próprio ainda se pronunciou, pois nem apresentou publicamente a proposta.

Em resumo, o Presidente fez questão de defender o governo mesmo antes de este ter dito o que propunha.

Para além disto, Marcelo só fez uma ridícula descrição sobre o que farão em 2023 em Portugal, os membros do Grupo de Arraiolos - um grupo de Chefes de Estado da União Europeia com poderes não executivos.

Foi breve e elucidativa: virão no 5 de outubro de 2023, vão jantar, no dia seguinte reúnem de manhã, vão almoçar e vão jantar! Um programa memorável!


2. Marcelo é o sistema!

Mal acabaram as frases sobre o orçamento e logo começou o encobrimento do Sistema.

Sim, porque em Portugal o Sistema vale mais do que a lei.

Trapalhada sobre trapalhada, ministras, ministros, maridos de ministras, pais de ministros tudo se coloca a jeito para ser considerado incompatível nas suas funções de governantes do retângulo.

O que faz Marcelo, o guardião do Sistema? Aqui começa por não falar no primeiro caso.

Depois com a catadupa de problemas, já disse esta pérola: ""Não falo de casos concretos, falo de casos em abstrato. E se a lei define determinadas regras sobre incompatibilidades e se há situações que são abrangidas por essas regras, então há que fazer cessar a incompatibilidade. Há no entanto outras situações, não sei se não é mesmo este o caso, em que não há incompatibilidades".

Imaginem que falava de casos concretos!

O que conclui Marcelo? Que é melhor os Deputados reavaliarem a lei.

Para quê? Para "legalizarem" as trapalhadas deste Governo, que de suspeita em suspeita, vai se escondendo atrás do Presidente que tudo protege.

Viva o Sistema!

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Concorda com a mudança regular da hora duas vezes por ano?

Enviar Resultados
RJM PODCASTS

Mais Lidas

Últimas