MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

Presidente da Delegação Regional da Madeira da Ordem dos Psicólogos Portugueses

2/03/2023 08:00

Uma nova análise de 2022 (Prosperidade e Sustentabilidade das Organizações - Relatório do Custo do Stresse e dos Problemas de Saúde Psicológica no Trabalho, disponível em www.maisprodutividade.org), não só reitera esta realidade, como evidencia que a sua magnitude é agora muito superior, na ordem dos 5,3 mil milhões de euros. Trata-se de um valor que inclui apenas os custos indiretos, por exemplo, do absentismo e do presentismo, responsáveis respetivamente por 8 e 16 dias de trabalho perdidos por ano, o que significa que se considerarmos também os custos diretos (por exemplo, resultantes de tratamentos ou seguros), a dimensão das perdas é muito superior.

Este foi mais um contributo que ilustra uma realidade evidente: a experiência psicossocial nos locais de trabalho é determinante para os resultados financeiros da própria organização e, num plano mais alargado, para a funcionalidade das sociedades. Certamente, uma percentagem muito significativa da variabilidade da experiência de bem estar numa sociedade decorre do que acontece nos locais de trabalho.

Referimos já nesta coluna (Viver melhor o trabalho, 22/02/22) que chamaria muito a atenção se, numa demonstração de resultados de uma organização, constasse um custo evitável de milhares de euros. Ora, esse custo existe e está demonstrada a forma de o resolver. Melhorar uma circunstância que é especialmente problemática no nosso País é possível, está ao alcance e requer o envolvimento de todos e um real compromisso em implementar as ações que contribuem para o sucesso.

Isto inclui mais a mobilização do conhecimento e o reforço dos psicólogos que trabalhem estas questões em contexto laboral, a avaliação e a intervenção sobre os riscos psicossociais, o envolvimento dos trabalhadores e das lideranças na análise das práticas laborais e modalidades de trabalho, a formação e o desenvolvimento de competências facilitadoras, incluindo por parte das lideranças, e as iniciativas de promoção da saúde e bem estar no local de trabalho, entre outros. E inclui menos a canalização de recursos para palestras motivacionais, na linha do "eu consigo", ou para ações aleatórias de promoção da "felicidade no local de trabalho".

Uma ação organizada e que inclui os ingredientes certos pode reduzir as perdas de produtividade e gerar poupanças de cerca de 1,6 mil milhões de euros por ano, mostrando o elevado retorno da promoção da saúde psicológica nos locais de trabalho. Ou, como neste espaço dissemos anteriormente (Os trabalhadores não abandonam as organizações, mas as suas lideranças, 03/10/2018), se os riscos psicossociais são determinantes para a produtividade e competitividade das organizações, então agir sobre eles é um fator de racionalidade económica e exemplo de boa gestão e liderança.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Há condições para o Orçamento da Região ser aprovado esta semana?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas