MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

14/11/2023 08:00

Como somos todos destituídos de capacidades suficientes para compreender o que fazem os governos e qual a sua função, António Costa convocou uma conferência de imprensa para a hora do jantar, onde a partir de São Bento falaria a todos.

Um pequeno detalhe: na terça-feira anterior, depois de ter o seu chefe de gabinete e o seu melhor amigo (que era consultor para tudo e mais alguma coisa - o "grande influenciador") detidos, de ter o ministro João Galamba constituído como arguido por suspeição de favorecimento na construção de um data center em Sines, para além de outros administradores de empresas envolvidas nos casos e igualmente detidos, António Costa apresentou a sua demissão ao Presidente da República.

Também está envolvido em escutas sobre lítio e hidrogénio e foi aberto um processo à parte que o envolve.

Pois é. O primeiro-ministro apresenta demissão. Os partidos e o Conselho de Estado são chamados a se pronunciar e Marcelo Rebelo de Sousa decide dissolver a Assembleia e convocar eleições.

Mas com um pequeno detalhe. As eleições serão daqui a 120 dias!

Sim, 120 dias contadinhos a partir do dia em que anunciou a sua decisão.

Ao tomar a decisão de que não publica o decreto de demissão de António Costa e consequentemente de dissolução da Assembleia da República sem que antes o Orçamento de Estado seja aprovado (o que só acontecerá a 29 de novembro) Marcelo alimenta uma inenarrável máquina de propaganda posta em marcha pelos socialistas.

Primeiro os ministros, que foram noticiados como estando sob suspeita, apresentam-se na Assembleia para uma normalíssima defesa do Orçamento de Estado para 2024. Como se nada se passasse.

Basta ver a arrogância, sobranceria e até falta de educação com que João Galamba se apresentou na Assembleia, como se estivesse carregadinho de moral, ética e prestígio!

Aos olhos dos portugueses parece que os acusados, todos em funções ( e não demitidos) pois assim entendeu Marcelo, ficam como que com a face lavada e reabilitados para a nobre função de políticos sérios, honestos e íntegros, no legítimo desempenho do seu papel de servidores da Pátria!

Marcelo Rebelo de Sousa é o único responsável por este branqueamento! Lamento!

Mas voltando ao início deste artigo.

António Costa, instruído pela máquina de comunicação que orienta a ação do PS e do seu Governo, este sábado fez o segundo ato de toda esta propaganda.

Pediu desculpas por terem sido encontrados 75 mil euros espalhados em envelopes, entre livros e garrafas de vinho no gabinete do seu Chefe de Gabinete. Anunciou-se humildemente envergonhado e partiu para a vitimização.

Branqueou toda a ação do seu governo, dos ministros, das instituições que estão a seu cargo, com o pretexto de que é fundamental atrair investimento estrangeiro e procurou demonstrar que tudo o que foi feito não foi mais do que agilizar, facilitar, ajeitar.

Tudo em nome do bem de Portugal. Tudo em favor do crescimento da Nação portuguesa!

Mais palavras para quê?

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Concorda com a mudança regular da hora duas vezes por ano?

Enviar Resultados
RJM PODCASTS

Mais Lidas

Últimas