MADEIRA Meteorologia

BE repudia "ataque ignóbil" a Guterres e propõe que parlamento lhe manifeste solidariedade

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
25 Outubro 2023
18:50

O BE repudiou hoje o "ataque ignóbil" contra o secretário-geral da ONU e saudou a sua coragem ao apelar a um cessar-fogo e ao respeito pelo direito internacional, propondo que o parlamento lhe manifeste solidariedade.

Em declarações aos jornalistas no parlamento, o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, criticou "o ataque ignóbil que está a ser feito contra António Guterres" e manifestou "toda a solidariedade" para com o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

"Acreditamos que, neste momento, é essencial, do ponto de vista da política externa, o Estado português declarar apoio à Carta das Nações Unidas, à ONU, a António Guterres", referiu.

O BE apresentou um projeto de voto de solidariedade para com o secretário-geral da ONU em que se lê que, "apesar de não reclamar nada mais do que o fim da violência sobre civis, apesar de não exigir nada mais do que a cessação de crimes de guerra, António Guterres tem sido violentamente atacado".

Para o BE, "há momentos em que exigir a paz e o respeito pelo direito internacional é um exercício de coragem, em que exigir ajuda humanitária e o cessar-fogo é um exercício de coragem".

"António Guterres tem tido essa coragem. Merece a nossa solidariedade perante os ataques violentos de que tem sido alvo por parte do Governo de Israel", lê-se no projeto de voto.

O partido propõe que o parlamento se solidarize com António Guterres, "repudiando os ataques de que tem sido alvo por parte de Israel", e sublinhe a "necessidade de um cessar-fogo na região, de acesso à ajuda humanitária e de condenação dos crimes de guerra".

O BE sugere ainda que a Assembleia da República peça a Israel para "não barrar a entrada de representantes e funcionários da ONU e a não vedar o seu acesso a Gaza e à Cisjordânia".

Nas declarações aos jornalistas, Pedro Filipe Soares disse ter ficado "chocado" que dois partidos parlamentares - referindo-se ao Chega e à IL - tenham vindo "colocar-se contra a ONU e contra António Guterres", salientando que, até agora, o parlamento tem sido "sempre unânime na subscrição da Carta das Nações Unidas".

"Se é uma questão de política interna, é incompreensível, porque não se deve misturar coisas que estão em patamares diferentes. Se é uma escolha estrutural no que toca ao relacionamento com a ONU, com a Carta das Nações Unidas, para nós é deveras preocupante", afirmou.

Nestas declarações aos jornalistas, Pedro Filipe Soares abordou o pacto nacional para a saúde proposto hoje pelo líder do PSD, salientando que o "abraço" do líder social-democrata "mostra como a política do PS está a agradar à direita".

"Aquilo que Luís Montenegro propõe, a cumplicidade entre privados e públicos, é exatamente o que está a ser levado a cabo pelo atual Governo, atacando a espinha dorsal dos cuidados de saúde no nosso país, que é o Serviço Nacional de Saúde (SNS)", disse.

O líder parlamentar bloquista também considerou inaceitáveis as palavras do diretor executivo do SNS, que considerou que o mês de novembro será "dramático" caso não se chegue a acordo com os médicos, defendendo que tanto Fernando Araújo como o ministro da Saúde "não se podem demitir das suas responsabilidades".

Na terça-feira, na abertura de uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, numa intervenção em inglês, Guterres considerou que "é importante também reconhecer que os ataques do Hamas não aconteceram num vácuo", acrescentando que "o povo palestiniano tem sido submetido a 56 anos de ocupação sufocante".

Guterres defendeu que "as queixas do povo palestiniano não podem justificar os ataques terríveis do Hamas", assim como "esses ataques terríveis não podem justificar a punição coletiva do povo palestiniano".

Na mesma reunião, o ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel, Eli Cohen, acusou António Guterres de estar desligado da realidade e de mostrar compreensão pelo ataque do Hamas de 07 de outubro com um "discurso chocante".

Na rede social X, ex-Twitter, o embaixador israelita na ONU, Gilad Erdan, pediu a demissão imediata de António Guterres das funções de secretário-geral desta organização.

Hoje, Gilad Erdan anunciou a decisão de Israel de não conceder vistos a representantes da ONU, numa entrevista à Rádio do Exército israelita.

Lusa

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Há condições para o Orçamento da Região ser aprovado esta semana?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas