MADEIRA Meteorologia

Substâncias sintéticas mais potentes e novas drogas e consumos preocupam Europa

Data de publicação
11 Junho 2024
10:01

O panorama das drogas está a mudar na Europa, com substâncias sintéticas opiáceas mais potentes, novas misturas de produtos e mudanças nos padrões de consumo, revelam dados do relatório europeu sobre drogas.

Estas mudanças estão a provocar uma ameaça crescente e a aumentar os problemas de saúde pública, conclui o “Relatório Europeu Sobre Drogas 2024 – Tendências e Desenvolvimentos”, hoje divulgado em Lisboa pelo Observatório Europeu das Drogas e da Toxicodependência (EMCDDA, na sigla em inglês).

Este observatório inicia no dia 02 de julho um novo mandato com poderes reforçados e mais abrangentes, face aos novos desafios que têm surgido na área do tráfico, do consumo e novas substâncias.

O documento, que apresenta dados do ano anterior dos 27 Estados-membros da União Europeia (UE), Turquia e Noruega, sublinha que os consumidores estão mais expostos a “uma gama mais vasta” de substâncias psicoativas, “muitas vezes de elevada potência ou pureza, ou em novas formas, misturas e combinações”.

“Com produtos mal vendidos (muitas vezes pela Internet e com substâncias adulteradas), os consumidores podem não ter a consciência do que estão a consumir e ficarem sujeitos a maiores riscos para a saúde, incluindo envenenamento potencialmente fatal”.

É o caso da heroína, que continua a ser o opiáceo mais consumido na Europa e responsável por “parte significativa” dos problemas de saúde, sendo o mercado europeu “cada vez mais complexo”, com uma variedade de substâncias sintéticas que estão a causar preocupação.

O relatório destaca preocupações em torno dos opiáceos sintéticos potentes, por vezes vendidos indevidamente ou misturados com medicamentos e outras drogas, assim como MDMA (ecstasy) adulterado com catinonas (estimulantes) sintéticas e produtos de canábis adulterados com canabinóides sintéticos.

No final de 2023, o EMCDDA monitorizava mais de 950 novas substâncias psicoativas, 26 das quais notificadas pela primeira vez na Europa nesse ano.

Uma mensagem do relatório deste ano vai para os policonsumos: duas ou mais substâncias psicoativas ao mesmo tempo ou em sequência, muitas vezes misturada com álcool.

O problema crescente dos opiáceos na Europa aparece com uma “ameaça emergente” denominada nitazenos (opioide sintético 40 vezes mais forte do que o fentanil e 140 vezes mais poderoso do que a morfina), que se expandiu por todo o mundo e que terá causado nos últimos quatro anos mais de 200 mortes.

Desde 2009, surgiram no mercado europeu de droga 81 novos opiáceos sintéticos, altamente potentes e com um enorme risco de envenenamento e morte por overdose.

Em 2023, seis dos sete novos opiáceos sintéticos notificados pela primeira vez ao Sistema de Alerta Rápido da UE eram nitazenos, o maior número desta substância notificado num ano.

O relatório alerta que a Europa tem de melhorar a sua preparação para eventuais mudanças de mercado, garantindo prevenção e tratamento adequados, incluindo o acesso a medicamentos e a serviços de redução de danos, bem como disponibilizando fornecimentos de naloxona, o medicamento para reversão de overdoses.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Considera que o novo governo vai cumprir o mandato?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas