MADEIRA Meteorologia

Presidentes da Venezuela e da Guiana reúnem-se quinta-feira sobre território de Essequibo

Data de publicação
10 Dezembro 2023
0:08

Os presidentes da Venezuela e da Guiana vão reunir-se na quinta-feira, em São Vicente e Granadinas, sobre a disputa do território de Essequibo, rico em petróleo e reivindicado por Caracas, anunciou hoje o governo do arquipélago anfitrião.

O Presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, que tenta mediar o conflito, estará presente “a pedido” de ambas as partes.

Os presidentes Nicolas Maduro e Irfaan Ali aceitaram “esta reunião realizada sob os auspícios da CELAC”, a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos, da qual o primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, Ralph Gonsalves, detém a presidência rotativa, “e da CARICOM”, a Comunidade das Caraíbas, de acordo com um comunicado do chefe do governo do arquipélago que acolherá o encontro.

“Vamos todos assumir a resolução de fazer deste encontro histórico um sucesso”, concluiu Ralph Gonsalves.

Caracas já havia anunciado uma reunião de “alto nível”, após conversas hoje entre os Presidentes Maduro e Lula.

Lula da Silva tinha aconselhado, numa conversa telefónica, o seu homólogo venezuelano a não tomar “medidas unilaterais” que agravem o conflito fronteiriço entre a Venezuela e a vizinha Guiana.

O Presidente do Brasil, cujo Governo enviou reforços militares para a sua fronteira norte, reiterou também a “crescente preocupação” de outros países sul-americanos, que numa declaração conjunta na noite de quinta-feira tinham convidado “ambas as partes a dialogar e a procurar uma solução pacífica”.

O presidente colombiano, Gustavo Petro, seguiu o exemplo, dizendo na rede X (antigo Twitter) que “o maior infortúnio que poderia acontecer à América do Sul seria uma guerra”.

A descoberta de vastas jazidas de petróleo pela empresa norte-americana ExxonMobil em 2015 e as licitações da Guiana para exploração na área reavivaram a disputa de longa data sobre Essequibo, um território de 160.000 quilómetros quadrados administrado pela Guiana, mas que a Venezuela reivindica argumentando que a verdadeira fronteira é a que remonta ao império espanhol em 1777.

Os dois países têm trocado acusações há vários dias e o Conselho de Segurança da ONU reuniu-se à porta fechada na sexta-feira à noite, mas não houve qualquer declaração ou comunicação no final da reunião.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

O que se segue à demissão de Miguel Albuquerque?

Enviar Resultados
RJM PODCASTS

Mais Lidas

Últimas