Assédio sexual gera alvoroço na praia da Calheta

Paulo Graça

Banhistas, que estavam sábado na praia da Calheta, queixaram-se do comportamento e de assédio sexual por parte um indivíduo, que estaria sob o efeito de drogas.

Durante a manhã, e grande parte da tarde, o homem em causa terá provocado diversas veraneantes, à vista de todos os outros que estavam na praia.

Ao JM, os relatos que chegam são de “assédio sexual” em plena praia. Apesar dos sucessivos avisos dessas mulheres, o homem continuava a provocar. A situação foi muito má e acabou por provocar mal-estar na praia, tendo, mesmo alguns nadadores salvadores confrontado o homem.

Uma testemunha ocular revelou ao Jornal, que o indivíduo ofendeu mulheres que estavam, na sua maioria, sozinhas ou acompanhadas por outras. O homem terá mesmo tentando contacto com algumas, causando ainda mais alarido no local.

Os nadadores salvadores terão alertado as autoridades policiais, mas, de acordo com uma fonte, a Polícia Marítima e a Polícia de Segurança Pública (PSP) terão alegado que não podiam atuar, os primeiros por estarem sediados no Funchal e os segundos por não ser da sua competência (PSP).