Ponta do Sol, Calheta e Machico registam as maiores subidas no preço das casas na Região

Segundo dados divulgados hoje pelo idealista, o preço das casas na Região subiu 13,4% em março de 2021 face ao mesmo mês do ano passado, com os preços a situarem-se nos 1.775 euros por metro quadrado (m2). Já em relação à variação trimestral, estas valores apontam para uma subida de 5,8%.

“Dos 9 municípios analisados, Ponta do Sol foi o que apresentou a maior subida (18,2%) seguido por Calheta (15,9%), Machico (12,9%), Funchal (8,2%), Santa Cruz (6,9%), Ribeira Brava (4,4%). Por outro lado, os preços desceram em Santana (-4,7%) e São Vicente (-3,9%)”, esclarece o idealista.

No Funchal o preço do metro quadrado chegou aos 1.991 euros.

No entanto, aponte-se que, durante a pandemia, os preços desceram em apenas três freguesias do Funchal, concretamente na Sé (7,1%), Santa Maria Maior (-5,7%) e no Monte (-0,2%). Por outro lado, os maiores aumentos foram nas freguesias de Santa Luzia (26,2%), Imaculado Coração de Maria (19,9%) e São Pedro (17,3%).

Já as freguesias mais baratas para comprar casa no Funchal são no Monte (1.325€/m2), São Roque (1.373€/m2) e Santo António (1.528€/m2). Por outro lado, as mais caras são Sé (2.287€/m2), São Martinho (2.204 €/m2) e Imaculado Coração de Maria (2.202€/m2).

No Porto Santo, os preços desceram 5,7% nos últimos 12 meses situando o preço do metro quadrado em 1.371€.

Em comparação com o resto do país, a habitação registou uma subida de 5,8% durante o mesmo período, situando-se em 2.181 euros/m2.

“Todas as regiões assistiram a um aumento de preços nos últimos 12 meses com a exceção do Alentejo onde desceram 2,3%. Por outro lado, a maior subida foi registada na Região Autónoma da Madeira (13,4%), seguida pelo Centro (8,5%) e Norte, onde os preços aumentaram 7,7%. Seguem-se o Algarve (6%), a Área Metropolitana de Lisboa (3%) e a Região Autónoma dos Açores (2,6%)”, sublinha o idealista.

Ainda assim, a Área Metropolitana de Lisboa continua a ser a região mais cara, com os preços a ficarem pelos com 3.098 euros por m2. Segue-se o Algarve (2.387 euros por m2), Norte (1.850 euros por m2) e a Madeira (1.775 euros por m2). Por sua vez, as regiões mais baratas são a Região Autónoma dos Açores (1.013 euros por m2), o Alentejo (1.023 euros por m2) e o Centro (1.128 euros por m2).

Já em termos dos distritos analisados, os maiores aumentos tiveram lugar em Aveiro (15,6%), Ilha da Madeira (13,5%), Vila Real (13,4%), Braga (11,9%), Setúbal (8,9%), Coimbra (8,4%), Porto (8,2%), Viseu (7%), Faro (6%) e Ilha de Porto Santo (5,7%). Seguem-se na lista Bragança (4,9%), Lisboa (3,5%), Santarém (3,2%), Leiria (3%), Viana do Castelo (3%), Castelo Branco (2,6%), Ilha Terceira (2,1%) e Ilha de São Miguel (0,3%).

De referir que o ranking dos distritos mais caros continua a ser liderado por Lisboa (3.438 euros por m2), seguido por Faro (2.387 euros por m2) e Porto (2.170 euros por m2). Os preços mais económicos encontram-se na Guarda (627 euros por m2), Portalegre (661 euros por m2), Castelo Branco (714 euros por m2) e Beja (770 euros por m2).

Por último, atentando nas capitais de distrito, saliente-se que Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro comprar casa: 4.773 euros por m2. Porto (2.978 euros por m2) e Funchal (1.991 euros por m2) ocupam o segundo e terceiro lugares, respetivamente. Já as cidades mais económicas são Portalegre (648 euros por m2), Guarda (679 euros por m2), Beja (759 euros por m2) e Bragança (786 euros por m2).