MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

Coordenadora do Centro de Estudos de Bioética – Pólo Madeira

11/04/2024 08:00

A finitude da vida é um tema que nos confronta com a essência da nossa existência, levando-nos a refletir sobre o significado e o propósito da nossa passagem neste mundo. É um tema que nos desperta para a impermanência de todas as coisas e nos recorda que a vida é um ciclo, com um começo e um fim inevitáveis.

Ao longo da história da humanidade, várias filosofias, religiões e tradições abordaram a questão da finitude da vida de diferentes maneiras. Algumas encaram a morte como o fim absoluto, enquanto outras a veem como uma transição para uma outra forma de existência. Independentemente das crenças individuais, a finitude da vida é uma realidade inegável que nos acompanha desde o momento em que nascemos até ao último suspiro.

No entanto, longe de ser um tema sombrio e deprimente, a consciência da finitude da vida pode inspirar-nos a viver de forma mais plena e significativa. Ao reconhecermos que o tempo que temos é limitado, somos impelidos a valorizar cada momento, a apreciar as pequenas coisas e a dedicar-nos ao que realmente importa. A finitude da vida torna-se assim um lembrete constante da preciosidade do presente e da importância de vivermos de acordo com os nossos valores e aspirações mais profundas.

Além disso, a consciência da nossa própria finitude pode também conduzir-nos a uma maior compaixão e empatia para com os outros. Ao reconhecermos que todos estamos sujeitos ao mesmo destino, somos levados a valorizar os laços de amor e amizade que nos unem e a agir de forma mais generosa e altruísta.

Por outro lado, a finitude da vida pode também despertar em nós um profundo senso de nostalgia e melancolia, à medida que contemplamos o passado e nos confrontamos com o inevitável fluir do tempo. No entanto, é precisamente nesta nostalgia que reside também a beleza da vida, pois é através das recordações e das experiências vividas que encontramos significado e enriquecemos a nossa jornada.

Em última análise, a finitude da vida é uma das grandes verdades universais que nos desafia a confrontar a nossa própria mortalidade e a viver de forma mais autêntica e consciente. É um convite para abraçarmos plenamente a nossa humanidade, com todas as suas alegrias e tristezas, e para celebrarmos a vida em toda a sua fragilidade e beleza.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

O presidente do Marítimo tem condições para continuar no cargo após agredir um adepto?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas