MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

DO FIM AO INFINITO

5/07/2024 08:00

Os sonhos são o espelho do ser e esta semana eu sonhei que as paredes da minha casa no Laranjal, a casa dos meus pais, a casa dos mortos, estavam a verter água e as paredes da fazenda também estavam a verter água, bem como as paredes do galinheiro e as paredes da ribeira e estrada lá em baixo e os eucaliptos atrás da casa e as hortas urbanas em frente, tudo em meu redor estava a verter água e eu sabia que ia morrer afogado, eu ia morrer afogado dentro do meu sonho e então comecei a chorar e a chamar por todos os que antes cuidaram de mim – a minha mãe, as minhas tias, o meu pai – mas ninguém me ouvia, ninguém aparecia para me salvar e a água continuava a jorrar torrencialmente das paredes, das árvores, do chão, a água jorrava de todos os ângulos e eu sabia que ia morrer afogado, meu Deus, eu ia morrer afogado na minha propriedade nas zonas altas de Santo António e gritava por socorro, gritava cada vez mais alto o nome da minha mãe, o nome do meu pai, o nome do meu avô, com a água sempre a subir e aquilo era já um oceano negro e fundo sem fim – o meu fim.

Eu ia morrer sozinho. Sim, eu ia morrer sozinho no Laranjal, até que senti alguém tocar-me no ombro. Virei-me e vi a minha tia Conceição, a única do lado do coração que ainda vive, exatamente com o aspeto que tem agora, velhinha de 91 anos, senil e incapaz de reconhecer quem quer que seja – nem eu, nem a minha irmã, nem ela própria – e ela disse-me assim, com o seu ar totalmente alucinado:

– Não chames pelos mortos.

Eu fiquei espantado e ela acrescentou:

– Os mortos nunca mais voltam.

Depois, olhou em redor – os seus olhos já muito vazios de azul, os seus olhos tão cheios de demência – e disse:

– A água não é problema.

E, de repente, a água extinguiu-se e tudo ao meu redor ficou seco – as paredes, a casa, a fazenda –, tudo ficou impecavelmente enxuto e luminoso e o sol mostrou-me o caminho de regresso à realidade, onde cheguei às 03:21 da madrugada e ali fiquei estendido na cama, no quarto de dormir de um terceiro andar, num bloco de apartamentos algures na zona da Ajuda, a pensar que, de facto, os sonhos definem com exatidão o indivíduo pelo seu lado incompleto, impreciso, indeterminado – o seu lado absoluto – e explicam muito bem a existência da cada um à face do universo.

Os sonhos – pensava eu – são a luz do medo e do desejo que tanto nos arremessa e impele para longe como nos amarra e sufoca aqui mesmo. Os sonhos são o chão por onde caminha a consciência do ser humano e todos os seus derivados, incluindo a loucura e a santidade. Os sonhos são a réstia perdida da perfeição que sustenta a nossa vida para o bem e para o mal, porque a hora de Deus é também e sempre a hora do Diabo. Os sonhos são a mais pura mentira sobre nós, toda a nossa verdade.

Raios me partam!

Tenho de escrever isto – pensava eu, quase a adormecer outra vez.

Escrever requer paixão, fé. Escreve-se por amor, apenas por amor. Quando este sentimento falha, ou começa a falhar, como uma lâmpada prestes a fundir numa noite tempestuosa, o espírito apronta-se para a escuridão. Às vezes, o reino das trevas dura para sempre, o que é horrível, porque escrever não tem nada a ver com a solidão, embora pareça que tem.

E eu estava quase, quase a dormir...

Meu Deus, como é bom saber que a Terra é redonda e gira à volta do Sol! Como é bom conhecer umas quantas palavras e conseguir falar com fluência uma qualquer língua, mais não seja para praguejar a existência dos outros e a nossa também! Meu Deus, como é assustador saber que vamos morrer e voltar a ser o que éramos antes de cá chegarmos!

Percebem o que digo? Se não houver paixão para combater este conhecimento, escrever, tal como viver, tal como sonhar, consistirá apenas numa espera pelo fim.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem vence o Campeonato Europeu de Futebol?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas