MADEIRA Meteorologia

Ordem antevê agravamento nos serviços de obstetrícia se Governo não tomar medidas

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
23 Agosto 2022
14:56

O bastonário da Ordem dos Médios disse hoje que os constrangimentos que desde junho têm afetado os serviços de ginecologia e obstetrícia de alguns hospitais deverão agravar-se no próximo mês se o Governo não tomar medidas.

"Temo que, pelo facto de o Ministério da Saúde ainda não ter tomado decisões nesta área, setembro possa ser pior do que agosto e que, se calhar, o resto do ano não corra assim tão bem", anteviu Miguel Guimarães.

O bastonário falava aos jornalistas no final de uma reunião com 20 dos cerca de 150 médicos internos de ginecologia e obstetrícia que, no início deste mês, enviaram uma carta à ministra da Saúde sobre a crise atual enfrentada pela especialidade.

"Quando os médicos mostram preocupação em identificar as questões que estão menos bem e é necessário corrigir com urgência, não terem sequer uma sinalização da receção da carta ou, mais grave ainda, não existir uma reunião [com a tutela] é lamentável", disse o bastonário.

Sublinhando que desde junho se assiste a constrangimentos nos serviços ginecologia e obstetrícia de alguns hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e que desde o início do ano os médicos alertavam para essa situação, Miguel Guimarães considerou que o problema vai agravar-se "se nada for feito" com consequências a diferentes níveis.

"A própria formação está a começar a ser prejudicada nesta matéria", referiu, explicando que em muitos casos os médicos internos "estão a ser desviados para fazerem serviço de urgência em detrimento de fazerem a sua formação em áreas especificas da obstetrícia e ginecologia".

LUSA

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Há condições para o Orçamento da Região ser aprovado esta semana?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas