MADEIRA Meteorologia

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
28 Maio 2022
16:19

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram hoje ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

"O presidente da República e o chanceler alemão pediram a libertação de cerca de 2.500 defensores de Azovstal feitos prisioneiros de guerra pelas forças russas", divulgou a Presidência francesa, após uma conversa telefónica entre os três líderes.

Macron e Scholz terão tomado "nota positiva do compromisso do Presidente russo de tratar os combatentes capturados em conformidade com o direito humanitário internacional, em particular as Convenções de Genebra, e de assegurar o acesso sem entraves ao Comité Internacional da Cruz Vermelha".

Já de acordo com a chancelaria alemã, os dois líderes ocidentais "insistiram num cessar-fogo imediato e numa retirada das tropas russas" e "apelaram ao presidente russo para negociações diretas sérias com o presidente ucraniano e uma solução diplomática para o conflito".

O presidente russo confirmou que a Rússia permaneceu "aberta a um reatamento do diálogo" com Kiev para resolver o conflito armado, estando as negociações de paz com a Ucrânia paradas desde março, segundo o Kremlin.

Durante a conversa telefónica, Vladimir Putin também "salientou a natureza perigosa de continuar a inundar a Ucrânia com armas ocidentais, alertando contra os riscos de uma maior desestabilização da situação e de um agravamento da crise humanitária", segundo relata a AFP.

Por outro lado, Emmanuel Macron e Olaf Scholz terão exortado Vladimir Putin a negociar uma solução para a guerra com Kiev, "respeitando a soberania e a integridade territorial da Ucrânia", e terão pressionado no sentido de um cessar-fogo e que o presidente russo concorde em negociar diretamente com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenski, "o mais depressa possível".

O telefonema foi também aproveitado para os líderes de França e Alemanha insistirem na urgência de levantar o bloqueio em Odessa, a fim de permitir a exportação de cereais ucranianos através do Mar Negro e evitar uma crise alimentar global.

Berlim e Paris prometeram manter um contacto estreito sobre o risco de crise alimentar, uma preocupação crescente face ao bloqueio das exportações da Ucrânia, um dos principais produtores mundiais de cereais.

Lusa

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

O presidente do Marítimo tem condições para continuar no cargo após agredir um adepto?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas