MADEIRA Meteorologia

Ucrânia: Bielorrússia avisa que usará armas nucleares russas em caso de ataque

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
13 Junho 2023
14:18

A Bielorrússia usará as armas nucleares colocadas pela Rússia no país se for atacada, advertiu hoje o Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko.

"Deus não permita que eu tenha de tomar a decisão de usar essas armas. Mas não hesitarei se formos atacados", afirmou Lukashenko durante uma visita à região de Minsk, citado pela agência bielorrussa Belta.

Lukashenko, principal aliado de Moscovo na guerra contra a Ucrânia, afirmou que as armas nucleares russas que em breve serão estacionadas na Bielorrússia são necessárias "para que nem um único pé bastardo volte a pisar o solo bielorrusso".

Se a Bielorrússia fora tacadas, "a resposta será imediata", afirmou Lukashenko, segundo a agência espanhola EFE.

Lukashenko considerou ser "pouco provável que alguém queira declarar guerra a um país que possui armas" nucleares.

"São as armas das superpotências", acrescentou.

Na semana passada, o Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou a instalação de armas nucleares táticas no território da vizinha Bielorrússia a partir de 08 de julho.

A transferência das armas tinha sido alvo de um acordo entre Moscovo e Minsk em março.

A Rússia invadiu a Ucrânia para "desmilitarizar e desnazificar" o país vizinho, de acordo com os objetivos anunciados por Putin no dia do início da operação, em 24 de fevereiro de 2022.

O conflito mergulhou a Europa naquela que é considerada como a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Desconhece-se o número de baixas civis e militares, mas diversas fontes, incluindo a ONU, têm admitido que será elevado.

A Ucrânia tem contado com o apoio de aliados ocidentais, que fornecem armamento a Kiev para combater as tropas russas.

O Ocidente também tem imposto sanções económicas à Rússia para tentar diminuir a sua capacidade de financiar o esforço de guerra.

No final de setembro, Putin decretou a anexação das regiões de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia ao território da Federação Russa, depois de ter feito o mesmo à Crimeia, em 2014.

A Ucrânia e a generalidade da comunidade internacional não reconhecem a soberania russa nas cinco regiões anexadas.

Kiev exigiu a retirada russa do território da Ucrânia como uma das pré-condições para eventuais conversações de paz, mas Moscovo respondeu que os ucranianos têm de se conformar com a nova realidade.

Lusa

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

O presidente do Marítimo tem condições para continuar no cargo após agredir um adepto?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas