MADEIRA Meteorologia

Japão adota tom conciliador em relação à China na estratégia diplomática do país

Data de publicação
16 Abril 2024
9:16

O Japão quer promover relações estratégicas e mutuamente benéficas com a China, de acordo com um novo relatório anual de política externa japonesa hoje publicado e que retoma essa posição depois de cinco anos de afastamento.

No Livro Azul Diplomático 2024, o Governo japonês defende a promoção de “uma relação mutuamente benéfica baseada em interesses estratégicos comuns” com a China, apesar de reconhecer que o país vizinho representa “um desafio estratégico importante e sem precedentes”.

Esta expressão conciliatória, que Tóquio não utilizava desde 2019, voltou a surgir, depois de o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, e o Presidente chinês, Xi Jinping, terem acordado, numa reunião nos Estados Unidos, em novembro passado, construir relações mutuamente benéficas para as duas nações.

Apesar desta concordância, Tóquio e Pequim mantêm sérias divergências sobre uma série de questões, incluindo a disputa territorial sobre as ilhas Senkaku (administradas pelo Japão, mas reivindicadas pela China) e o despejo de água tratada da central nuclear de Fukushima no oceano Pacífico.

A rivalidade entre a China e os Estados Unidos, importante aliado do Japão, que se intensificou devido à pressão sobre Taiwan, é outro fator que tem dificultado a melhoria das relações.

Apesar do desejo de aproximação, o livro diplomático reflete também a “séria preocupação” do Governo japonês com as potenciais tentativas da China de “alterar unilateralmente o ‘status quo’” e com uma série de “atos perigosos” no mar do Sul da China, bem como a importância de acelerar a colaboração trilateral entre os Estados Unidos, o Japão e as Filipinas para contrabalançar esta situação.

Relativamente à Coreia do Sul, o documento descreve o país como um “vizinho importante” com o qual o Japão se deve envolver como “parceiro” para resolver várias questões internacionais.

A última vez que Tóquio considerou Seul um parceiro foi na edição de 2010 deste documento, em mais um sinal da aproximação entre os dois países desde que o conservador Yoon Suk-yeol se tornou Presidente da Coreia do Sul, em 2022.

Sobre a Rússia, o relatório sublinha uma posição cautelosa face à decisão do país de reforçar as relações não só com a China, mas também com a Coreia do Norte, e destaca, em particular, as alegadas transferências de armas norte-coreanas que Moscovo poderá ter utilizado na invasão da Ucrânia.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

O presidente do Marítimo tem condições para continuar no cargo após agredir um adepto?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas