Dois militares alegadamente embriagados mataram 15 pessoas no leste da RDCongo

Décio Ferreira

Dois soldados, aparentemente embriagados, mataram em incidentes separados pelo menos 15 pessoas no domingo e hoje, nas províncias de Ituri (sete mortos) e Kivu do Sul (oito), ambas no leste da República Democrática do Congo (RDCongo), referiram fontes locais.

No incidente de hoje, um militar disparou contra os passageiros de uma canoa motorizada que se preparava para navegar no lago Tanganica, perto de Kazimia, no território Fizi (Kivu do Sul), matando oito pessoas e ferindo outras sete, disse Aimé Kawaya Mutipula, administrador do território, citado pela agência France-Presse.

"Entre as vítimas, todas civis, estão homens, mulheres e crianças", acrescentou.

As razões pelas quais o soldado, que estava a bordo, disparou a sua arma não são conhecidas, mas, segundo Kawaya, estava "embriagado".

"Está preso", disse André Byadunia, coordenador da sociedade civil local, que pediu às autoridades que “o militar seja julgado e condenado".

No domingo, outro soldado, também presumivelmente embriagado, matou primeiro o guarda-costas de um coronel, o próprio coronel, depois cinco civis em Bambu, aldeia do território de Djugu, região frequentemente palco de confrontos armados.

A aldeia "acordou domingo de manhã com tiros e pensámos que se tratava de um ataque", disse Claude Mateso, chefe do setor Walendu Djatsi.

Mas, segundo o dirigente local, tratou-se de um soldado a quem os seus camaradas haviam tirado a sua arma na noite anterior porque estava embriagado e que voltou para a recuperar.

O atirador acabou por ser morto por outro soldado que o perseguia.

"Este é um caso isolado que condenamos veementemente", disse o tenente Jules Ngongo, porta-voz do exército em Ituri.

"Aguardamos mais informações sobre os reais motivos desse militar irresponsável e criminoso", acrescentou.

Além dos dois incidentes, na província vizinha de Kivu do Norte, seis pessoas ficaram feridas em consequência da deflagração de uma granada lançada contra a multidão por soldados que pretendiam deter um jovem na aldeia de Kisovu, no território de Masisi, disse Ngendahimana Eugène Gishoma, secretário de administração da localidade de Burungu.

As três províncias orientais da RDCongo são cenário de violência de grupos armados há mais de 25 anos.

Ituri e Kivu do Norte estão sob estado de sítio desde maio de 2021, uma medida que deu plenos poderes ao exército e à polícia, mas que até agora ainda não se traduziu na diminuição da violência.