Distúrbios em Guimarães com envolvimento de adeptos portugueses

Décio Ferreira

O Ministério da Administração Interna informou nesta quarta-feira que a "identificação dos adeptos que terça-feira causaram distúrbios na cidade de Guimarães vai ser remetida ao Ministério Público por indícios da prática de crime de participação em motim".

Em comunicado, o MAI refere também a presença de membros de uma claque portuguesa nos incidentes sem, no entanto, referir qual.

No texto, lê-se que as "diligências preliminares efetuadas pela Polícia de Segurança Pública (PSP) indicam que, apesar de os adeptos da equipa do Hajduk Split terem sido acompanhados por elementos da polícia croata, há indícios de que os adeptos organizaram a sua chegada ao país de forma a não serem detetados pelas autoridades e que os incidentes ocorridos ontem à noite em Guimarães foram organizados com elevado grau de premeditação, com participação de membros de pelo menos um grupo organizado de adeptos nacional".

Na mesma nota, o ministério assume que "apenas um pequeno grupo de adeptos organizou a sua deslocação com conhecimento das autoridades". Esse grupo chegou ao país por via área, "tendo os demais contado com o apoio de membros de claques associadas a clubes portugueses para a organização das suas deslocações e estadia".

A PSP identificou 154 adeptos na sequência de queixas de distúrbios na noite de terça-feira no centro histórico de Guimarães, incluindo "arremesso de mobiliário de esplanadas e deflagração de artefactos pirotécnicos".

Segundo a nota do MAI, dos 154 adeptos identificados, 122 são croatas, 23 são portugueses e os restantes são de outras quatro nacionalidades.

Os incidentes ocorreram na véspera do jogo entre o Vitória de Guimarães e o clube croata Hajduk Split para a segunda mão da terceira pré-eliminatória da Liga Conferência Europa.

O Vitória de Guimarães venceu hoje os croatas do Hajduk Split por 1-0.