MADEIRA Meteorologia

UEFA tenta evitar jogos entre ucranianos e bielorrussos nas provas europeias

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
27 Maio 2022
17:07

A UEFA aprovou o condicionamento dos sorteios das competições europeias de futebol, "com efeito imediato", a fim de evitar o cruzamento entre equipas ucranianas e bielorrussas, devido à guerra na Ucrânia, anunciou hoje o organismo.

A decisão foi tomada pelo Comité Executivo da UEFA, que aprovou também um regulamento especial - com alterações motivadas pela pandemia de covid-19 - da fase final do Europeu de 2022 feminino, no qual Portugal vai substituir a Rússia, que se tinha qualificado, mas foi suspensa devido à invasão da Ucrânia.

"A decisão tomada hoje destina-se a assegurar o normal funcionamento das provas da UEFA, na medida em que a segurança das equipas e de todos os participantes poderá não estar totalmente garantida devido à existência de um conflito militar", informou o organismo regulador do futebol europeu.

A UEFA já tinha decidido que nenhum jogo das suas provas poderia ser disputado em território bielorrusso e que, mesmo em outro país, teria de ser disputado à porta fechada, "uma vez que a invasão da Ucrânia pelo exército russo foi facilitada pela vizinha Bielorrússia".

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de quatro mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

No âmbito do Europeu feminino, que se realiza entre 06 e 31 de julho de 2022, em Inglaterra, o Comité Executivo decidiu permitir "substituições ilimitadas de jogadoras, em caso de lesão grave ou doença [incluindo covid-19], antes do primeiro jogo, desde que com comprovação médica".

"As novas regras aplicam-se também às guarda-redes, que poderão ser substituídas antes de cada jogo do torneio, em caso de incapacidade física, mesmo que uma ou duas guarda-redes da lista de inscritos estejam disponíveis", precisou a UEFA.

A covid-19 já provocou a morte de quase 6,3 milhões de mortes e mais de 527 milhões de casos em todo o mundo, de acordo com o mais recente balanço da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

Lusa

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem acha que vai governar a Região após as eleições de 26 de maio?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas