"O duelo de Tazio Nuvolari" (III)

Vários duelos marcaram a sua carreira desportiva – nem todos ao volante – com Giuseppe Campari, Achille Varzi e Hans Stuck, aquando da sua passagem pela equipa da Auto-Union, e o próprio Enzo Ferrari. Para que regressasse à Scuderia Ferrari, foi necessária a intervenção do próprio ditador Benito Mussolini.

Enquanto piloto e ao volante das suas máquinas voadoras, das duas às quatro rodas, um dos despiques mais interessantes que viveu foi precisamente com Varzi, nas Mille Miglia de 1930. Durante a noite, Nivola manteve por horas os faróis apagados, correndo em alta velocidade atrás deste, até ao momento da surpreendente ultrapassagem muito perto da Meta, vencendo com a sua ousada estratégia. Varzi nunca mais esqueceria esta derrota.

Nem sempre a sorte protege os audazes, e entre outros tantos factos ocorridos, recordo um outro duelo entre Nivola e um animal, quando em 1938, atropelou um veado aos comandos do seu Auto-Union Tipo-D "flecha de prata" no decorrer dos treinos para GP de Donington.

Ou o eterno duelo com a velocidade que lhe permite bater o recorde mundial de velocidade , para a Scuderia Ferrari, com o Alfa Romeo Bimotore de 16 cilindros em 1935.

Contudo o mais notável duelo, sem dúvida, foi a sua vitória "impossível", a 28 de Julho de 1935, no GP da Alemanha em Nurbürgring.

Ao volante do seu Alfa Romeo P3 de menor cilindrada e potência ante toda a armada alemã dos Auto-Union e Mercedes-Benz. Foi de tal modo inesperado, o seu triunfo que, quando chegou a altura da entrega de prémios, a organização não tinha a gravação do hino italiano "Marcia Reale", nem a bandeira nacional italiana para hastear. Mas Nuvolari vinha preparado e providenciou ambos!

Nesse dia chuvoso e nublado, ecoou no "Inferno Verde" o quente hino da "Marcia Reale Italiana" e a bandeira italiana voou mais alto, sob o olhar incrédulo das altas patentes nazis – incluindo o Hitler furioso – e, dos milhares de alemães nas bancadas. Entre o gotejar do champanhe, os louros e ovações do alto do seu metro e 65 centímetros, esta subida ao mais alto lugar do pódio, imortalizou-o como o maior piloto do seu tempo.

Como homenagem ao grande piloto Tazio Nuvolari, ficou-nos a frase esculpida nas portas do seu túmulo no cemitério Degli Angeli, situado entre a sua natal Mântua e Cremona: "Correrai ancor più veloce per le vie del cielo" (Correrás ainda mais veloz pelas estradas do Céu). O inesquecível Tazio Nuvolari.

 

 

Marco Ireneu Pestana escreve

à quarta-feira, de 4 em 4 semanas

marcoireneupestana@gmail.com