Fados e Bossa Nova assinalam Dia Mundial da Língua Portuguesa na Venezuela

Este ano, o Dia Mundial da Língua Portuguesa será assinalado com muita música e animação na Venezuela, numa celebração que tem como leitmotiv o tema "De sonhar ninguém se cansa", uma frase da autoria de Fernando Pessoa, do Livro do Desassossego.

O objetivo desta efeméride é o de enaltecer o acervo, a língua, os valores e a visão do mundo de todo um povo que por séculos atravessou os mares para desembarcar com a sua cultura em portos e territórios de cinco continentes.

O concerto comemorativo deste ano é organizado pela Embaixada de Portugal, o Camões, I.P., a Coordenação para o Ensino da Língua Portuguesa (CEPE-Venezuela), e o Correio da Venezuela, em colaboração com a Fundação Instituto Português de Cultura, Caixa Geral de Depósitos e a Associação Venezuelana para o Ensino da Língua Portuguesa (AVELP).

Entre os artistas que subirão ao palco destas celebrações estará a cantora luso descendente Iliana Gonçalves, que estará em direto desde Portugal acompanhada pelo guitarrista Daniel Luzardo, o baixista Ricardo Tirado e Júlio César Alcocer na percussão. O quarteto interpretará autores lusófonos como Amália Rodrigues, Tom Jobim, Caetano Veloso entre outros.

Os temas em português, "temperados" com algumas surpresas, prometem emocionar o público e fazê-lo viajar desde a sonoridade de uma língua doce e cheia de saudades, pelas paisagens recriadas nas obras dos mais conhecidos autores lusófonos”, promete a organização, numa nota enviada à redação.

O concerto será realizado no dia 5 de maio, às 19 horas (hora venezuelana) e será transmitido através da plataforma Zoom e retransmitido em simultâneo pelas redes sociais da CEPE e do Correio da Venezuela.

Este concerto forma parte da programação cultural que a Delegação da União Europeia na Venezuela realiza anualmente por ocasião do Dia da Europa.

Refletindo sobre esta efeméride, Carlos de Sousa Amaro, embaixador de Portugal na Venezuela, recordou que no ano 2019, a UNESCO declarou o dia 5 de maio como Dia Mundial da Língua Portuguesa, considerando que é falada por mais de 265 milhões de pessoas, sendo o idioma mais usado no hemisfério sul. O português é atualmente a quarta língua mais falada no mundo, e também é língua oficial de 33 organizações internacionais, entres as quais se encontram a União Europeia, a União Africana, a OEA, o Mercosul, entre outras. Além disso, é ensinado em muitos países do mundo", disse.

Já Rainer Sousa, coordenador para o Ensino da Língua Portuguesa do Camões, I.P., recordou que na Venezuela há uma vasta comunidade portuguesa que data dos tempos da Colónia e que deixou uma profunda marca na cultura do país, sem esquecer o facto de que este país partilha fronteira com o Brasil, o maior país lusófono do mundo.

O professor Sousa afirma que a "Venezuela quer falar português", por isso é prioridade formar um corpo docente para atender a procura que "continuará a crescer nos próximos anos".

Segundo o docente, a pandemia de Covid-19 não é impedimento para avançar no ensino e difusão do português no território venezuelano.

"A pandemia tem impulsado os professores, associações lusas e outras instituições a criar as suas plataformas, com os seus próprios conteúdos, na difusão do idioma na Venezuela. É o caso da Fundação Camões de Valencia, em Carabobo, a qual criou a sua própria página web, e de outras mais que, usando os recursos de internet como Google Classroom, Zoom, Google Meet, Moodle, etc, avançam com as suas aulas", explicou.