Bispo de Leiria-Fátima diz que causa da paz é de todos e não apenas dos “poderosos do mundo”

LUSA

O bispo de Leiria-Fátima, cardeal António Marto, considera que “a causa da paz não está confiada só aos poderosos do mundo com as suas cimeiras políticas”, mas é uma causa “de todos (…) e concretamente da Igreja”.

Numa declaração divulgada hoje pela Fundação AIS (Ajuda à Igreja que Sofre), a propósito da iniciativa “1 milhão de crianças rezam o Terço pela Paz”, agendada para 18 de outubro, e a que presidirá a partir de Fátima, António Marto classifica-a como “cheia de significado” e que pode ajudar a “despertar a consciência” de todos e “da Igreja a nível universal” para a defesa da causa da paz.

O facto de a iniciativa da Fundação AIS dar primazia às crianças fez o bispo de Leiria-Fátima a recordar o papel dos videntes de Fátima, “a quem a Senhora confiou a causa da paz”.

“Pode parecer estranho dizer que se confia a causa da paz a 3 pequeninos”, diz o cardeal na mensagem, acrescentando que eles “estão a representar todos os pequenos e humildes do mundo, aqueles homens e mulheres que parecem não terem grande protagonismo na História, que não aparecem nas parangonas dos jornais e revistas nem nos ecrãs da televisão, mas que têm um protagonismo histórico em construir a paz em cada dia nos lugares onde vivem, onde trabalham”.

Segundo a Fundação AIS, esta iniciativa contou, em 2020, a nível internacional, com a participação de crianças de 136 países e, em Portugal, conta com a adesão de instituições como o Santuário de Fátima, da Rede Mundial de Oração do Papa, do Apostolado Mundial de Fátima, do Secretariado Nacional da Educação Cristã.

O evento é organizado pela Fundação AIS a nível mundial, que adianta que o Papa Francisco “tem manifestado também a sua adesão a esta iniciativa” e este ano as crianças vão rezar inspiradas também em palavras do Pontífice.

“A iniciativa gira em torno de São José, com citações da Carta Apostólica ‘Patris corde’ (com coração de Pai), escrita pelo Papa Francisco para marcar o Ano de São José no 150.º aniversário de sua proclamação como Padroeiro Universal da Igreja, ano jubilar que se conclui no dia 08 de dezembro deste ano”, explica o cardeal Mauro Piacenza, presidente internacional da instituição.

Depois de um ano marcado pela pandemia de covid-19, “cujas consequências ainda se refletem no quotidiano de muitas populações em muitos países do mundo, a jornada de oração das crianças pela paz será uma oportunidade para refletir também sobre as outras ‘doenças’ de que padece o mundo”, acrescenta um comunicado da Fundação.

Citado nesse comunicado, o cardeal Piazenza sublinha que são muitas as crises que afetam e ameaçam o Planeta.

“A fome, a pobreza, a corrupção, o terrorismo, a profanação da vida humana e a destruição da criação afetam milhões de pessoas”, considera o presidente Internacional da Fundação AIS, adiantando que, em resposta a isso, é importante a oração, especialmente a oração das crianças pela “salvação de Deus para o mundo”.

A iniciativa será levada a cabo a nível internacional pelos 23 secretariados da Fundação AIS, mas terá o seu epicentro em Portugal, com a adesão do Santuário de Fátima, sendo a oração presidida pelo bispo de Leiria-Fátima, cardeal António Marto, na Capelinha das Aparições.