Ciclovia do Ribeiro Seco será alterada daqui a um mês

Iolanda Chaves

O presidente da CMF, Pedro Calado, visitou a ciclovia no Funchal, na zona do Fórum, que está concluída e assim possibilitou a abertura do concurso para corrigir a “asneirada da ciclovia no Ribeiro Seco”, uma alteração que vai seguir em frente tal como estava prometido, desde o dia em que tomou posse.

“Vamos desfazer uma asneira que foi feita pelo anterior executivo. Pensamos que dentro de um mês começam as obras”, revelou aos jornalistas. Com a ciclovia assim e a circulação automóvel está condicionada, e se deste “lado da cidade há um incêndio ou um desastre de grande dimensão, ninguém consegue circular só numa faixa nas horas de ponta”.

A alteração e retificação do projeto inicial do ciclo via no Ribeiro Seco vai custar mais 150 mil euros à Autarquia. No lugar da ciclovia vai “ser feita uma faixa de circulação de veículos prioritários", como ambulâncias, autocarros, táxis e veículos de segurança, garantido acesso ao lado oeste da cidade através de duas vias e não uma, como estava desenhada no primeiro projeto da responsabilidade da anterior vereação.

A ciclovia teve três fases e, na última, hoje visitada, foi necessária realizar uma alteração de fundo que permitiu mais segurança e fluidez do trânsito nesta parte da cidade, permitindo circular em duas faixas de rodagens. O custo da obra foi 1,1 milhões de euros e teve três fases. “Foi adaptado a zona dos passeios, os jardins foram arranjados e colocou-se nova sinalética. A população pode começar a desfrutar. Em boa hora colocamos em marcha a alteração deste projeto”. Pedro Calado, que esteve acompanhado pelo vereador Bruno Pereira, ressalvou ainda que quando “se pensa e idealizam estas obras é preciso ter em conta o crescimento da cidade”, pelo que novos projetos deste tipo têm de ser pensados com calma e feitos de maneira que “não se prejudique a circulação das pessoas”, numa zona do Funchal onde nos próximos quatro anos vão estar mais de 10 mil pessoas a residir.