MADEIRA Meteorologia

JPP diz que a saúde mental na Madeira "continua no vermelho"

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
20 Junho 2023
14:13

Na sequência de notícias que dão conta de "consequências nefastas que as falhas na saúde mental da Madeira têm", nomeadamente relacionadas com episódios de violência, consumo de drogas, assaltos, entre outros, incidentes estes que "não têm sido episódios isolados sendo cada vez mais frequente a grave situação que se está a viver na Região Autónoma da Madeira, já não se encontrando confinado ao Funchal", o JPP voltou hoje a criticar a fraca ação da tutela da Saúde neste aspeto.

"É cada vez mais frequente o aumento de pessoas a viver nas ruas, o aumento do consumo de estupefacientes e de álcool e o aumento da criminalidade atestado pelo próprio relatório da segurança interna, referente a 2022. Numa Região turística onde a segurança é um dos elementos mais apreciados por quem nos visita e por quem opta pela Madeira para viver, é uma autêntica irresponsabilidade a falta de investimento do nosso Serviço Regional de Saúde, na Saúde Mental", afirmou o deputado Paulo Alves. Prossegue dizendo que estes são problemas "que têm vindo a crescer a 'olhos vistos', não tem merecido do Governo Regional a devida atenção, continuando o executivo madeirense a 'assobiar para o lado': as doenças mentais afetam pessoas de todas as idades e famílias de qualquer estrato social."

Nesse sentido, o JPP insiste na conjugação de esforços para concretizar uma ação concertada entre diferentes setores, principalmente os da saúde e da inclusão e assuntos sociais. "O executivo madeirense tem de redefinir prioridades e passar à prática sem esquecer que uma boa saúde mental depende de um conjunto de condições fundamentais como as sociais e económicas, o próprio descanso e a acessibilidade ao próprio Serviço Regional de Saúde sempre que necessário. Neste preciso momento, quanto tempo demora uma consulta de psiquiatria? Ou de psicologia?"

"A atitude do Governo Regional em, reiteradamente, ignorar "os sinais dos tempos", apenas alimenta as consequências nefastas deste problema na Região. Por isso, é imperativo que o Governo Regional veja, ouça e atue eficazmente, investindo no combate ao flagelo social que se tornou a "ausência" de saúde mental na RAM", conclui.

Catarina Gouveia

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem vai ganhar a Taça de Portugal?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas