Grupo Folclórico da Casa do Povo da Camacha partilha “Sete Décadas de História” em livro

Redação

O Grupo Folclórico da Casa do Povo da Camacha apresenta, esta sexta-feira, o livro "Grupo Folclórico da Casa do Povo da Camacha. Sete Décadas de História", numa cerimónia aprazada para as 18h30, na Casa do Povo local.

Conforme esclarece uma nota enviada à redação, esta obra é o resultado de um extenso trabalho de investigação, recolha, compilação e registo de informação até então dispersa, mas que, agora, ganha vida neste livro sobre o mais antigo grupo de folclore da Ilha da Madeira. Ademais, esta obra procura ainda ser um contributo para a compreensão da folclórico no arquipélago da Madeira e no país.

“Da fundação às representações deste grupo na Região, no território continental português e no estrangeiro, passando pelas figuras mais emblemáticas e pela sua atividade "fora de palco" em prol da cultura tradicional madeirense, do passado ao presente e a partir de um ponto de vista exterior ao grupo, o autor, Duarte Mendonça, percorre minuciosamente, os diversos registos escritos, mas também fonográficos e iconográficos, para relatar o percurso e trabalho deste grupo, que, muitas vezes, se cruza com a própria história recente da ilha da Madeira”, avança a mesma nota, que denota que esta obra conta ainda com o contributo de Rosa Moniz, no grafismo, e Georgina Abreu, na fotografia.

A apresentação da publicação, cofinanciada pelo PRODERAM e pela Câmara Municipal de Santa Cruz, estará a cargo de Alberto João Jardim, ex-presidente do Governo Regional da Madeira-

Recorde-se que o Grupo Folclórico da Casa do Povo da Camacha, que celebra o seu aniversário a 1 de novembro, foi fundado em 1948, com o objetivo de representar a Madeira e Portugal no Concurso Internacional de Danças de Madrid, em Espanha, evento em que foi agraciado com o 2º lugar na modalidade de Danças Mistas.

Graças ao grande número de homens e mulheres que passaram pelo Grupo Folclórico da Casa do Povo da Camacha, a sua atividade permaneceu ininterrupta desde 1948, fazendo dele o mais antigo grupo de folclore na Região Autónoma da Madeira. As músicas e danças representadas remontam ao século XIX e ao início do século XX.

Contudo, elas evocam reminiscências que retrocedem ao século XV e à colonização da ilha. Já representou a ilha da Madeira em todo o território português, Europa, América do Norte e do Sul, África, Médio Oriente, Ásia e Oceânia.

Este grupo foi ainda distinguido e reconhecido pelo seu trabalho em defesa da cultura popular pelo Governo Regional da Madeira, pela Secretaria Regional do Turismo e pelo Município de Santa Cruz.

Já Duarte Mendonça, natural do Funchal, é formado pela Universidade da Madeira, onde frequentou e concluiu a sua Licenciatura e Mestrado na área das Humanidades.

É já um investigador com vasta obra publicada, sendo este já o seu 11.° livro.