Marco Fagundes Vasconcelos inaugura 'Pooland' na Marca de Água

A Galeria Marca de Água, situada na rua da Carreira 119 irá inaugurar na próxima quinta-feira, dia 14 de outubro, pelas 18h00, uma nova exposição intitulada 'Pooland', da autoria de Marco Fagundes Vasconcelos, com os artistas convidados, Dimitra Papathanasopoulou e Eduardo Welsh.

Esta exposição reúne algumas dezenas de obras de desenho, pintura, fotografia, escultura e instalação, ocupando os três pisos da galeria.

A direção artística da Marca de Água está a cargo da historiadora de arte Raquel Fraga e a curadoria a cargo de Diogo Goes, docente do ensino superior e artista plástico. Raquel Fraga, agradece aos artistas pela “oportunidade de reforçar a programação da galeria, tendo em vista a sensibilização para os problemas que afetam a nossa sociedade contemporânea.” Defendendo que, "é tarefa da arte contemporânea atuar na comunidade em que se insere”, destaca.

A cerimónia inaugural da exposição terá a presença do vice-Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Victor Freitas, e do secretário regional de Turismo e Cultura, Eduardo Jesus.

A exposição ficará patente até 23 de dezembro, no horário de funcionamento da galeria (de segunda a sexta-feira, das 10h30 às 13h00 e das 14h00 às 18h30) ou noutro horário mediante prévio agendamento. A entrada é livre.

Sobre Marco Fagundes Vasconcelos

Nasceu no Funchal, em 1968. Licenciado em Artes Plásticas/Pintura. Expõe regularmente desde 1977. Encontra-se representado na Coleção do MUDAS. Museu de Arte Contemporânea da Madeira. Na sua extensa carreira artística, conta com inúmeras exposições realizadas no país e na região, nomeadamente destacam-se destacam-se as individuais: “O inferno só pode ser um beco”, na Galeria dos Prazeres (2018), “Xiphopagos: Eu, Chang and Eng”, no MUDAS. Museu de Arte Contemporânea da Madeira (2017), “Do Chão só restam ratos”, instalação no BBC - T1 (2013) e “Steaks, drawings and other stories”, realizada no Museu de Arte Contemporânea do Funchal (2012), “Mi tio és una farsa” (2012) e “In hyde Park” (2009) no Espaço Cirurgias Urbanas, no Porto; “Yo no soy tonta como una puerta”, no Espaço Geraldine, em Lisboa (2011); “ROTFLOL”, no Museu de Arte Contemporânea do Funchal (2008), “Somewhere in Transilvania” na Quinta da Rochinha (2008) e as instalações “Againts the Wall” Instalação, no Espaço Arcadas do Pelourinho, “All Paper”, nos armazéns rua da Alfandega (2005), ainda no mesmo ano “Intervenções Efémeras”, no Palácio S. Lourenço e “Women, women, women” na Galeria Edicarte (2001), entre outras. É autor da pintura mural, no túnel do Campo da Barca. Nas exposições colectivas participou nos Ateliês Abertos 39/93-Lisboa em colaboração com o Ateliê de Cristina Ataíde (2010), no Festival Interferências, na Magnética Magazine Design “Entre pólos” com um Mupi e “Ni Evas ni a Adanes” (desenhos) e “Mi tia és un hombre” na Galeria Nuble-Santander, em Espanha e na “Bioarte 10+1” festival de arte urbana. Em 2009 é distinguido com um prémio de aquisição na Bienal de Vila Nova de Cerveira com a obra “Parade of Vanity”. Participa na “Marca Madeira”, no Madeira Tecnopólo (1997) e na “III Art student” na República da Macedónia (1997) e (1995).