Apoio à cultura na Região cresceu mais de 67% com a pandemia, afirma Eduardo Jesus

"Em parte alguma de Portugal o setor cultural tem sido tão apoiado como na Região Autónoma da Madeira". Quem o diz é o secretário regional de Turismo e Cultura, Eduardo Jesus.

Numa fase que obriga à adoção de novas medidas, o governante diz "compreender o impacto no setor, como sempre compreendeu e por isso mesmo acompanhou, permanentemente, as necessidades sentidas, tendo respondido com acrescidas oportunidades de trabalho, apoios aos profissionais liberais, ao setor empresarial cultural, às associações culturais e às estruturas de criação artística, como nunca tinha acontecido".

Assim, Eduardo Jesus acentua que "para além da celebração de todos os contratos-programa e protocolos, foram lançadas duas linhas de apoio a fundo perdido a todo o setor. O envolvimento do Governo Regional da Madeira com o setor da cultura cresceu, durante a pandemia, mais de 67% só num dos projetos PIDDAR referente a apoios. Não há nenhuma comparação que possa ser feita a esta realidade".

Complementa que num ano pandémico, em que a atividade cultural foi cancelada a nível nacional durante 7 meses (março a setembro) "houve um apoio da Secretaria Regional de Turismo e Cultura de 1,8 milhões de euros. Só através da Direção Regional da Cultura foram assegurados apoios e contratados serviços artísticos num valor superior a 1 milhão de euros. E isso é completamente inédito na realidade regional. Acresce o investimento que esta Secretaria Regional fez em 2020 na contratação de serviços artísticos e produção de eventos através DRT no valor de cerca de 800.000€".

No que se refere ao que foi decidido em Conselho de Governo, que limita o acesso aos espetáculos, Eduardo Jesus sublinha que o problema central é o estado pandémico que se vive na Região, neste momento. Por isso mesmo, afirma que "a prioridade é a saúde pública e todos devem compreender que têm que fazer parte da solução". Explica que "a limitação tem a ver, como é lógico, com a diminuição do risco de contágio e isso tem de ser assegurado por qualquer setor de atividade ou cidadão. É uma obrigação que nos assiste a todos".

Seja como for, o Secretário Regional deixa claro que "estas medidas que afetam toda a população têm um prazo determinado e são levantadas assim que exista evidência de melhoria do estado pandémico, aliás como tem vindo a acontecer na gestão deste processo, em qualquer parte do mundo".

Garante, ainda, que estão a ser ultimadas oportunidades de concretização cultural, dentro das restrições que o estado pandémico impõe, que visam, na continuidade de tudo o que tem sido feito, ir ao encontro das necessidades do setor.

"A Secretaria Regional de Turismo e Cultura entende que, face à circunstância atual, importa evoluir através de novas e soluções e que o contributo de todos deve ser dado neste sentido", refere comunicado da tutela enviado às redações.