Deixemo-nos de "bons modos" burgueses!

A vida das Nações começa numa opção: Liberdade ou tirania.

Esta é a escolha PRIMEIRA.

Infelizmente, mais de metade da  Humanidade ainda vive sujeita a tirania. Ou fascismos de extrema-direita, ou fascismos comunistas.

Com as eleições livres que o 25 de Abril nos permite, os Portugueses rejeitaram sempre o totalitarismo, fosse o fascismo de extrema-direita, fosse o fascismo comunista.

Mário Soares e os Socialistas democráticos nunca fizeram qualquer cedência de poder, como agora Costa, quer à extrema-direita, quer aos comunistas.

Desde que Durão Barroso, e bem, foi para Presidente da Comissão Europeia, primeiro Portugal ficou entregue ao caos e bancarrota de Sócrates. Seguiu-se o fracasso Passos Coelho, ao atalhar a crise financeira através do sacrifício da Economia e da Justiça Social, bem como destruindo o que tem de ser um Partido social-democrata e imune ao poder das "sociedades secretas".

E, agora, levamos com este exótico Costa que, contra as Liberdades, de há seis anos para cá pratica um colaboracionismo com os fascismos comunistas, com estes partilhando as grandes decisões sobre Portugal, bem como os lugares dirigentes na Administração Pública, sempre num posicionamento ideológico contra os Princípios fundamentais e contra os Valores democráticos que são Cultura do Povo português.

Costa que, assim, vem destruindo a Classe Média, a Qual tem de reagir, mesmo que com recurso à Greve Geral.

Costa que, assim, boicota a descentralização político-administrativa de Portugal Continental e ataca as Regiões Autónomas, mormente a Madeira que o derrota sempre, desta forma voltando ao colonialismo.

Costa que destinou o dinheiro da "bazuca" europeia, não ao Crescimento e Desenvolvimento da Economia e da Ciência, mas ao engordar do Estado e à criação de mais empregos públicos para a Classe Média os pagar.

Costa que, assim, está a destruir o que de Incentivos e de Produtividade ainda restavam à Economia portuguesa, desta forma arrastando a Classe Média para a pobreza a fim de estabelecer o Regime da Subsídio-dependência que lhe garanta eleitorado fixo e salários baixos ao grande Capital, cuja maioria de impostos são pagos em fiscalidades estrangeiras mais benignas.

Este é o Portugal dos últimos seis anos, de Desenvolvimento, de Economia e de Liberdades Cívicas sacrificadas e controladas!

Este é o Portugal em que Marcelo é o Presidente da República... mas não quer chatices!...

Este é o Portugal que trocou Valores, Princípios e Referências, indispensáveis à Democracia, para viver covardemente no "politicamente correcto", no Relativismo, nas "causas fracturantes" no Poder das "sociedades secretas".

Estou contra tudo isto, mesmo que seja o único português a estar!

Este é o Portugal onde grandes Estadistas, que Os temos, chamam à atenção do perigo que constituem para as Liberdades, certas "mexidas" nas Forças Armadas, ao mesmo tempo que é ENSURDECEDOR o silêncio cómodo de Instituições que têm a obrigação ÉTICA de intervir na FORMAÇÃO das populações!

Este é o Portugal que consente se deixar enganar pela MENTIRA de ser "inconveniente" o Governo de Lisboa cair.

É que se não cair, Portugal afundar-se-á cada vez mais, já com um sexto da sua população a viver na POBREZA. A par, os Portugueses assistirão às manobras mais miseráveis para neutralizar o Centro político, com as suas Bases da Classe Média, e instalar uma bipolarização estagnante "direita"-"esquerda" que agravará a situação desta mesma Classe Média e das Liberdades democráticas. Cada vez mais se fará sentir o poder das "sociedades secretas", hoje habitadas por ambos os sexos.

Por tudo o que aqui expliquei, é que a PROPAGANDA  OFICIOSA "vende" a "inconveniência" do Governo Costa cair. Por tudo isto, este actual "ataque ao poder" no Partido Social Democrata, através de conhecidas figurinhas maçónicas e exibicionistas, de perfis pessoais que nem o eleitorado do PSD aceita, nem a maioria do Povo português.

Querem que tudo continue na mesma, à custa de acabarem com a Classe Média, massa crítica essencial à Democracia.

E veja-se o ESCÂNDALO! Em Portugal, para se ser candidato à Assembleia da República ou às Assembleias Legislativas das Regiões Autónomas, só se proposto por um Partido político!...

Não é Democracia. É partidocracia.

Ora, de momento, os Partidos são situacionistas. Estão DE CÓCORAS ante o Sistema Político, defendem os seus privilégios, boicotando as REFORMAS necessárias, e estão dominados por forças não transparentes. No que, honestamente, excepciono o PCP.

Em Portugal, a partidocracia impede a Liberdade de candidaturas extrapartidárias aos Parlamentos nacional e regionais, porque sabe que os candidatos de Qualidade arrasariam os Partidos actuais!

É que, em quase todo o País, nas respectivas áreas, os Partidos estão dominados por "comissões" medíocres, distantes das ÉLITES.

Impedem a descentralização político-administrativa, em troca de manterem o poder nas respectivas regedorias, e dos favores com que em Lisboa lhes pagam.

À Classe Média, de todos os sectores da vida nacional, SEM EXCEPÇÃO, cabe-nos passar a mexer e MUDAR Portugal!

Deixemo-nos de "bons modos "burgueses!