MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

CONTOS INSULARADOS

14/04/2024 06:00

Havia poucas opções para as mulheres lá da aldeia, mas trabalho havia muito, mesmo que a maioria fosse ao início do mês pagar a ‘casa do povo’, a entidade que recebia os pagamentos para a segurança social, e lá aparecesse apenas artesã ou trabalhadora agrícola.

Era o que lhes estava reservado. Ou bordavam, ou faziam cestos de vime ou andavam de sol a sol nas fazendas. Algumas acumulavam duas das três. Dificilmente se misturava a obra de vimes – era assim que se chamava e era obra mesmo - com os bordados e notava-se bem quem fazia o quê. As mãos gretadas e escuras da liaça e do vime, que se demolhava para se poder torcer, ou de quem andava na monda da rama denunciavam-nas ao longe. Já as bordadeiras e costureiras tinham as mãos alvas como a neve.

Partilhavam mais ou menos o mesmo destino, dependendo do homem que lhes calhasse na lotaria da vida. As opções sentimentais eram tão escassas como as profissionais e mesmo um noivo zeloso muitas vezes se tornava num marido bêbado com tudo o daí advém. Pouca sorte das raparigas.

Que criavam os filhos e às vezes os netos sem ajudas de creches ou jardins-de- infância, que mesmo não sabendo ler, não se esqueciam de mandar a canalha fazer os trabalhos. Os pequenos andavam por ali, mais ou menos debaixo de olho. Brincavam na rua uns os outros, enquanto as mães alinhavavam toalhas intermináveis e empilhavam cestos em molhos de 20, que rendiam uns cobrados extras ao fim do mês, mas que nunca chegava para a independência financeira.

Raramente se queixavam disso. As mulheres da aldeia mais facilmente se lamuriavam pelos humores do tempo, do que pelas agruras da vida. Mesmo com marcas no corpo. E eram muitas as cicatrizes. Resmungavam com os garotos de ‘má calete’, com os ‘diabos’ que só queriam taberna, mas dificilmente amaldiçoavam a sua sorte. Rijas.

Quem visse de dentro até podiam parecer resignadas, mas o seu grande movimento só se viu mais tarde. As filhas e netas tiveram outras escolhas e já não vão à casa do povo.

Publicado originalmente a 21/10/2018, mas nunca tão atual como hoje. Sendo filha de uma “mulher da casa do povo”, honrarei sempre o seu legado, a sua resiliência, mas nunca farei uma ode às suas opções reduzidas. As filhas, as netas e bisnetas das mães, das avós e das bisavós da “Casa do Povo” serão o que elas quiserem e não o que lhes impuserem.

Esta crónica faz parte do Livro Contos Insularados, que vai ser apresentado dia 24 de abril no Teatro Municipal Baltazar Dias, no Funchal, pelas 17h30.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem acha que vai governar a Região após as eleições de 26 de maio?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas