MADEIRA Meteorologia

Ucrânia: Cooperação entre NATO e Kiev atrasa resolução do conflito - Moscovo

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
19 Junho 2023
12:05

A diplomacia russa insistiu hoje que a cooperação da NATO com a Ucrânia atrasa a resolução do conflito entre os dois países e que uma das razões para a crise é o Ocidente ignorar os interesses russos.

"A atual cooperação estreita entre o regime de Kiev e a NATO, mesmo sem o registo oficial de adesão à organização, não nos aproxima da paz, mas adia a resolução da crise", afirmou o diplomata Alexei Polishchuk.

O diretor dos assuntos da Ucrânia, Bielorrússia e Moldova no Ministério dos Negócios Estrangeiros reafirmou, em entrevista à agência russa TASS, que a Ucrânia está a ser instrumentalizada pelo Ocidente.

"Infelizmente, o objetivo do Ocidente não é a segurança da Ucrânia, mas a sua utilização como instrumento de luta contra a Rússia", disse.

Moscovo tem acusado o Ocidente de travar uma "guerra por procuração" contra a Rússia através da Ucrânia.

O atual conflito armado entre os dois países vizinhos começou em 24 de fevereiro de 2022, quando a Rússia invadiu a Ucrânia para a "desmilitarizar e desnazificar".

A NATO e outros aliados ocidentais da Ucrânia têm fornecido armamento a Kiev para combater a invasão russa.

Polishchuk disse à TASS que se o Ocidente se preocupasse com a segurança de Kiev, os Estados Unidos da América (EUA) e a NATO insistiriam num estatuto neutro para a Ucrânia, em vez de ignorarem os interesses de Moscovo.

"Desde os anos 90, temos contrariado o avanço irrefletido deste bloco militar agressivo [NATO] para as nossas fronteiras, temos avisado que a segurança de alguns países não pode ser garantida à custa da segurança de outros", afirmou.

Segundo Polishchuk, Moscovo propôs várias opções para resolver o problema, "incluindo a criação de um espaço euro-atlântico e euro-asiático único e indivisível em termos de segurança".

Referiu que a última proposta de Moscovo foi a apresentação de projetos de acordos sobre garantias de segurança com os EUA e a NATO, mas "a iniciativa foi ignorada".

Desde então, "a Finlândia tornou-se membro da NATO e a Suécia está a caminho", sendo que "se fala em aceitar a Ucrânia, que recebeu essa promessa em 2007", referiu.

"Infelizmente, o Ocidente continua a seguir o caminho da confrontação, desmantelando o sistema de controlo de armas existente e destruindo os restos da arquitetura de segurança europeia", acrescentou.

A NATO (sigla inglesa da Organização do Tratado do Atlântico Norte) foi fundada em 1949 por 12 países, incluindo Portugal, como uma aliança militar de defesa contra a União Soviética, no quadro da Guerra Fria.

Em reação, Moscovo criou o Pacto de Varsóvia em 1955.

Com a dissolução da União Soviética e do Pacto de Varsóvia em 1991, a NATO foi-se alargando a leste, integrando vários países do bloco soviético.

A Rússia considera que o alargamento da NATO põe em causa a segurança do país.

Antes da invasão de há quase 16 meses, Moscovo exigiu que a NATO garantisse que Ucrânia e Geórgia nunca se tornariam membros da aliança.

Exigiu também o recuo da NATO para posições anteriores a 1997, antes do alargamento a leste.

A Aliança Atlântica recusou ambas as exigências.

Na sequência da guerra, Ucrânia, Finlândia e Suécia formalizaram candidaturas de adesão à NATO, que tem atualamente 31 membros.

Lusa

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem acha que vai governar a Região após as eleições de 26 de maio?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas