MADEIRA Meteorologia

Borrell admite dificuldades com Hungria sobre sanções ao petróleo russo

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
16 Maio 2022
11:30

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, reconheceu hoje as dificuldades em garantir o apoio da Hungria à proposta para sancionar o petróleo russo, devido à dependência do país das importações da Rússia.

No âmbito do agravamento das sanções contra a Rússia por ter invadido a Ucrânia, em 24 de fevereiro, a Comissão Europeia propôs um embargo à importação de petróleo russo até ao final do ano, mas a Hungria opõe-se, apesar de a proposta prever um ano suplementar de transição para o país.

"Temos de convencer 27 países. Entre eles, alguns têm mais problemas do que outros. É uma situação objetiva que alguns Estados-membros enfrentam mais dificuldades", admitiu Borrell em Bruxelas, à entrada para uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da UE sobre a situação na Ucrânia.

O diplomata espanhol referiu-se ao facto de haver países "mais dependentes porque não têm acesso ao mar, não têm a possibilidade de receber petroleiros".

"Só têm petróleo através de oleodutos e da Rússia", lembrou o Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, citado pela agência espanhola EFE.

O também vice-presidente da Comissão Europeia disse que tentará que os ministros deem hoje um impulso político à proposta sobre o sexto pacote de sanções da UE contra a Rússia.

A proposta, apresentada em 04 de maio, inclui uma proibição das importações de petróleo bruto durante seis meses e de petróleo refinado durante oito meses.

Apesar de várias reuniões a nível diplomático e de a proposta conceder à Hungria e à Eslováquia um prazo de transição mais longo, até 31 de dezembro de 2023, ainda não há consenso sobre as novas sanções.

A República Checa também aderiu aos apelos para um prazo de três anos para a concretização da proibição do petróleo russo.

Borrell disse que será feito "tudo o que for possível para desbloquear a situação", mas admitiu não poder garantir que isso aconteça, "porque as posições são muito fortes".

"Mas, se conseguirmos compreender a situação particular de alguns Estados-membros e fizermos um esforço para apresentar uma frente comum contra a Rússia, conseguiremos", afirmou.

"O meu papel não é culpar ninguém, mas chegar a um consenso", acrescentou.

O sexto pacote de sanções inclui também a exclusão do Sberbank, o maior banco russo, do sistema internacional de transações Swift, ou medidas restritivas seletivas contra o patriarca da Igreja Ortodoxa Russa ou perpetradores de atrocidades na Ucrânia.

Durante a reunião, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, vai informar os seus homólogos da UE sobre a situação no país, segundo Borrell.

"Os ucranianos continuam a resistir ferozmente e nós continuaremos a fornecer-lhes armas para o fazer", disse.

Borrell propôs à UE aumentar a ajuda à Ucrânia em mais 500 milhões de euros, para 2.000 milhões de euros, para financiar armas como veículos blindados.

Lusa

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem acha que vai governar a Região após as eleições de 26 de maio?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas