Geografias de Ano Novo

Na dobra do ano velho, escondemos a dor do universo. Não esqueceremos o ano que acabou: duro, diferente, vazio de abraços, guardador de silêncios calados nas ruas do mundo. No entanto, quando janeiro se abre em fogo e os estrondos abrem buracos de luz na noite, acreditamos.

É sobre a geografia da esperança que escrevo, hoje. E faço-o, como se rezasse, porque foi esse o voto que pairou na noite em que 2020 passou a ser passado: que a novidade do ano novo se revestisse do que precisamos para ser feliz – de vida. plena. com direito a abraços. sem medo. com saúde.

Eu sei que esta esperança nos pertence, mas sei também que é preciso descodificar os sinais. As grandes experiências dos homens são as que são vividas por dentro, na casa do coração. E o ano que passou ensinou-nos a perceber o que nos falta: a normalidade dos dias, a possibilidade de abraçar e de beijar quem amamos, de viajarmos, de mantermos abertas as nossas portas, de termos as mesas cheias, de andarmos livres pelas ruas do mundo, de. 

Cada um de nós, desenha, em janeiro, o rumo do que há de ser, sem saber exatamente que tipo de paisagens há de encontrar pelo caminho. Quero acreditar que as coordenadas que vão definir os nossos passos tenham amor por dentro. Quero acreditar que a chuva vai lavar o resto de desencanto que ainda ficou por aqui. Quero acreditar que o sol que, na nossa terra, é tão nosso amigo, vá ajudar a germinar as sementes que todos nós (sem exceção) semeámos ao longo da nossa História. Quero acreditar que a força de quem somos inaugurará novas geografias e fará de nós, pessoas melhores. Quero acreditar que o nosso território de dentro se vai purificar neste inverno, se vai cobrir de flores, na primavera, de carícias do sol na pele do verão e de mesa farta no outono. Quero acreditar que vamos sair mais fortes do silêncio que aprendemos, porque já o esvaziamos do antes e já o enchemos do depois. Quero acreditar e gostava muito que acreditasse comigo. É mais fácil quando não estamos sozinhos.

Ah, é verdade. Vou deixar a estrela do presépio fora da caixa. Preciso dela para não me perder no caminho.