MADEIRA Meteorologia

Perdidos e Achados: “Posso vir a morrer de muita coisa, mas da bebida não”

Data de publicação
04 Fevereiro 2024
10:53

Entrou logo pela manhã pela porta do JM carregado de boa-disposição e com sorriso largo, algo que poderia não ter acontecido se o álcool tivesse levado a melhor. “Se tivesse continuado a beber como bebia, não estava aqui a falar de certeza absoluta”, atestou Eusébio Abreu, de 60 anos, cuja história contamos agora na rubrica ‘Perdidos e Achados’.

O mesmo nos certificou Ângelo Camacho, a caminho dos 54 anos, na tarde desse mesmo dia, na Casa de Saúde São João de Deus, onde trabalha desde o ano em que ali cumpriu tratamento. Datava janeiro de 1994, quando daquelas portas saiu pela primeira vez rumo a uma nova vida.

Desde então, passaram-se 30 anos e estas três redondas décadas de abstinência ao álcool são justamente o ponto que une estes dois homens, os quais, não querendo afirmar-se como tal, são hoje um exemplo de força e coragem para quem quer virar as costas à ‘ditadura do copo’. Porque, conforme reiteraram, o vício não é o fim da linha. É um tropeção simples de dar, difícil de recuperar, mas nunca uma sentença.

Ora, leia estes testemunhos na íntegra na edição impressa de hoje do seu JM.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Qual o seu grau de satisfação com a liberdade que o 25 de Abril trouxe para os madeirenses?

Enviar Resultados
RJM PODCASTS

Mais Lidas

Últimas