MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

21/10/2022 08:00

Disclaimer: se o leitor é púdico, salte o primeiro parágrafo.

A política sem ideologia é uma puta. Mas a ideologia não pode escravizar a política!

Quer isto dizer que nem a política, nem as sociedades se podem submeter à pureza das doutrinas, por mais belas que sejam as ideias e atrativas as ideologias.

A política tem de ser feita partindo de premissas ideológicas, claro, mas com uma boa dose de pragmatismo, atenta ao contexto e à factualidade. Quando a política se torna refém da ideologia nascem regimes totalitários. Ou medidas políticas absurdas. E por isso, as ideologias têm de ser dinâmicas e permeáveis. Um bom político é aquele que, com sólida formação ideológica, percebe que a política tem de ser exercida atenta às diversas faces da realidade e às suas múltiplas dimensões e variantes. Parte de ideias firmes, mas conhece a importância do contexto e do compromisso.

Vem isto a propósito daquilo que me vem parecendo como uma submissão excessiva de alguns partidos políticos à ideologia, mesmo que o conhecimento, a prudência e o pragmatismo aconselhem outra coisa. Se no caso do comunismo, esse é o seu status quo (submissão absoluta da realidade à ideologia), no caso do liberalismo contemporâneo a "coisa" vem em crescendo.

Tome-se o exemplo do ex-ministro das Finanças britânico, Kwasi Kwarteng. Como uma das grandes medidas para o choque fiscal que entendeu ser necessário à economia britânica, apresentou uma redução no imposto sobre os rendimentos dos contribuintes mais ricos, pretendendo poupar-lhes cerca de 2.000 milhões de libras.

A teoria que, na doutrina económica, dá pelo nome de Trickle-down economics (economia do gotejamento), é de que a poupança gerada aos mais privilegiados irá gotejar para todos os outros sectores da sociedade, através do investimento gerado e da diminuição das taxas de juro, promovida pela poupança.

O problema é de que isto é uma mera manifestação ideológica do liberalismo contemporâneo. Do ponto de vista da ciência económica, é extremamente contestada e nem o FMI vai na "conversa". Até porque, em regra, este tipo de poupança não goteja para a sociedade e acaba em paraísos fiscais.

Ronald Reagan já havia testado a teoria, sem qualquer tipo de resultado positivo. Trump ressuscitou-a e também não se conhecem resultados.

Ora, colocá-la em prática no meio de uma contração económica e com uma inflação galopante, parece um absurdo que apenas passaria pela cabeça de um político que nega a realidade. Um político que submeteu totalmente à ideologia aquilo que deveria ser a sua ação (política). E isto, para tomar por bom que a medida não visa apenas favorecer os ricos e privilegiados.

Este é o exemplo claro do que acima dizia, sobre o liberalismo contemporâneo: acreditam de tal forma na sua própria ideologia que mesmo que a realidade lhes diga algo diferente, parece-lhes que a realidade é que está errada (mude-se o povo, conforme ironizava Brecht).

Eu sou daqueles que entende que a emergência dos partidos liberais, nos últimos anos, fez bem às democracias. Todavia, é fundamental que compreendam que a sua ideologia não é panaceia para todos os males. E que percebam quando a realidade lhes diz outra coisa. Para não caírem no risco de fazerem como aqueles que tanto criticam!

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Concorda com a mudança regular da hora duas vezes por ano?

Enviar Resultados
RJM PODCASTS

Mais Lidas

Últimas