MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

Psiquiatra

28/05/2024 08:00

O tema desta semana relaciona-se com a verdade e o engano / mentira, numa perspetiva social e evolucionária darwiniana. É muito interessante ouvir algumas frases populares, como “quem diz a verdade não merece castigo” ou “a mentira tem perna curta”. Estes ditados populares surgem como uma necessidade de incutir a importância da verdade.

Parece-me interessante considerarmos que a mentira e o engano são favorecidos pela evolução. De tal forma, que surgiram técnicas biológicas para o fazer, como a camuflagem. O engano entre predador e presa, serve tantas vezes para evitar ser capturado, como para surpreender e capturar a presa. Na sociedade humana, na forma de jogos infantis, treinamos a surpresa e a camuflagem, com o mesmo propósito, a obtenção de uma vantagem.

Assim, na evolução humana, passámos de solitários indivíduos, a pequenos grupos, a grupos maiores e atualmente a grupos enormes. Estamos no auge da liberdade de expressão e um dos problemas atuais são as mensagens falsas, como as tentativas de roubar as pessoas e de transmitir informação falsa para direcionar intenções de voto. Temos assim de considerar a possibilidade de a mentira e o engano serem capacidades promotoras da sobrevivência do indivíduo. E é fácil de perceber porquê...

O problema da existência da mentira não é para o indivíduo, mas para toda a sociedade. Se a mentira e o engano podem promover o sucesso individual, a sua prática generalizada pode conduzir ao colapso da sociedade, através da quebra da confiança social. Este é um tema que no pós-eleições-quase-novas-eleições é fundamental refletirmos. A política representa o píncaro da vida pública e deveria estar repleta dos melhores exemplos da nossa sociedade. Infelizmente e a crer nas notícias e informações divulgadas nos últimos 10 anos, é possível que a mentira seja algo demasiado frequente.

Desta forma a frase “quem diz a verdade não merece castigo” é sentida por muitas pessoas que “quem diz a verdade é castigado”. E o castigo vem pela hierarquia da sua posição social (como os militares que foram suspensos por se recusarem a sair com um navio, para poucos dias depois ele ter uma avaria grave; bem como os políticos que foram expulsos do seu posto por terem perdido a “confiança política”, como tantos outros casos de onde vem a conhecida expressão de ficar “na prateleira”).

Como podemos conduzir a sociedade para um bom porto, se temos este grande dilema por resolver? Sem integridade e verdade destruímos a confiança uns nos outros e deixa de ser possível realizar negócios, encontrar justiça e segurança. No entanto, numa sociedade cada vez mais individualista em que a procura do prazer do momento, do dinheiro sem esforço, do poder e sucesso sem sacrifício, são os principais motores, como podemos acreditar que será possível termos a valorização da verdade?

A verdade é um bem do grupo e a mentira um bem do indivíduo. Se queremos diminuir os conflitos e aumentar a coesão, diminuir a guerra e aumentar a paz, temos de agir em verdade e assumir quando falhamos. Curioso, como a escolha individual pode significar a sobrevivência do grupo. Queixamo-nos da corrupção e votamos em suspeitos e já julgados por corrupção. Queixamo-nos da crise na habitação e favorecemos os turistas nos alojamentos locais. Os alojamentos locais facilitaram o turismo ao baixar os custos do alojamento, mas a consequência foi que os locais ficaram sem lugar para viver. Mais vale ir de férias do que ter casa? Que humanidade tão curiosa.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Considera que o novo governo vai cumprir o mandato?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas