MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

DO FIM AO INFINITO

26/04/2024 08:00

Tinha pálpebras descaídas e olhos de alcoólico, carregados de dor. O seu olhar não deixava ninguém indiferente e quando falava, o que raramente acontecia, as palavras vinham também impregnadas de sofrimento. Era um homem medonho e ao mesmo tempo belo e misterioso.

Vivia nos arredores da cidade, numa urbanização rodeada de árvores ainda pequenas e tenras. Os candeeiros eram mais altos do que as árvores e à noite emanavam uma luz amarela e intensa, mas triste. Era uma zona sossegada, sem bares, sem restaurantes, sem supermercados e mal se viam pessoas na rua, como se o local estivesse abandonado.

Quando ele saía do escritório, no centro da cidade, dirigia-se a um bar, duas ruas acima, e sentava-se num canto a beber cerveja e ficava ali até à meia-noite e às vezes comia uma sandes mista e as três empregadas olhavam-no intrigadas e entreolhavam-se e trocavam sorrisos entre si.

As empregadas eram mulheres novas e vulgares, de estatura média, duas morenas e uma de pele alvíssima e cabelos loiros, mas havia nelas laivos de beleza oculta, como em qualquer pessoa – ora pareciam sensuais e atraentes, ora apagadas e feias. A de pele branca era a mais baixa e desconsolada, mas a que ele considerava mais bonita e, por isso, tentava sorrir-lhe do fundo do seu silêncio sem nunca o conseguir.

Regressava a casa de autocarro ou de táxi e subia devagar a escadaria até ao quarto andar e depois descia para o terceiro, onde morava – estranho hábito que sempre teve e nunca foi capaz de explicar. Preparava uma refeição ligeira e depois enchia uma garrafa de água e levava-a para o quarto e durante a noite acordava e bebia a água quase toda.

Ia para o escritório quase sempre a pé, como hoje, e leva sempre a sua pequena bolsa de couro a tiracolo e a bolsa contém um álbum de fotografias – ele e a mulher ao longo dos cinco anos em que viveram juntos – e ele cuida da bolsa com profunda devoção e todos os dias lembra-se do que lhe dizia a mulher quando discutiam por motivos estúpidos, hoje também:

– A felicidade é uma coisa muito grande e normalmente pertence ao passado.

Ele vai pela rua abaixo com a bolsa de couro a tiracolo e move-se como se estivesse parado junto à campa da mulher no dia em que ela foi enterrada na terra vermelha e húmida, nunca mais a esqueceu, a terra vermelha e húmida, e nesse dia, contra todas as probabilidades, sorriu para uma criança que passou perto do cemitério e depois nunca mais o fez para ninguém. Ela morreu, ele também.

Hoje há de beber muito e os seus olhos estão outra vez cheios de dor e ele bebe cerveja gelada e depois uísque seco e depois cerveja e mais cerveja e por fim bebe um brandy em balão aquecido e depois deixa de atinar com os rostos das três empregadas e com os quadros que decoram o espaço e então sai do bar pouco antes da meia-noite, ele sabe que ainda não é meia-noite porque o salão de bilhar que fica logo abaixo ainda está aberto e de lá brotam vozes de homens e o som de tacadas fortes e ele imagina as bolas a rolar sobre o tampo verde das mesas até caírem nos respetivos buracos e os homens atentos a beber cerveja pela garrafa e isso distrai-o e anima-o por um instante, ali quase a dobrar a esquina da rua que conduz à praça de táxis, talvez a rua mais escura e escusa da cidade, e de repente dois vultos saem da parede, um arranca-lhe a bolsa de couro, o ouro, o ouro, o outro espeta-lhe a lâmina na barriga e ele cai de joelhos sobre os paralelepípedos, fraco, quase surdo.

Ainda ouve alguém dizer:

– Corre, corre.

Agora está totalmente estendido sobre as pedras negras do caminho e sente-lhes o cheiro poluído, o cheiro do chão da cidade, tão distante do perfume da terra vermelha e húmida que cobriu a sua mulher há tantos anos, meu Deus, há tantos anos, tantos anos de solidão, tantos anos de saudade, tantos anos de dor e daí arranca-a e trá-la de novo à vida para a beijar como naquele tempo, todos os dias quando chegava a casa, todos os dias quando saía de casa, e deu-lhe esse beijo e tremeu de frio porque os seus lábios eram já os lábios de um cadáver estendido numa rua da cidade.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Considera que o novo governo vai cumprir o mandato?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas