MADEIRA Meteorologia

Rádio "é sistematicamente subestimada no seu papel de segurança nacional"

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
23 Julho 2021
16:03

O presidente do Conselho de Opinião (CO) da RTP afirmou hoje que a rádio "é sistematicamente subestimada no seu papel de segurança nacional" e que o órgão chamou a atenção para isso na revisão do contrato de concessão.

Manuel Coelho da Silva falava na parlamentar "RTP - O Futuro do Serviço Público de Rádio e Televisão", que hoje decorre no parlamento.

"A rádio é sistematicamente subestimada no seu papel de segurança nacional, aliás, o Conselho de Opinião tem tomado posição muito clara sobre essas matérias. Chamámos a atenção neste contrato de concessão que havia uma ausência de clarificação sobre o papel da rádio na segurança nacional", salientou.

"Até agora praticamente só se falou de televisão e muito pouco da rádio e do seu papel em relação ao serviço que presta aos portugueses", referiu o responsável, questionando se os seus carros de exteriores no continente e nas regiões autónomas, as suas redes de emissores próprias estão devidamente operacionais.

Manuel Coelho da Silva referiu-se ainda à "progressiva degradação tecnológica" da RTP, que em 2004 se "assumia como pioneira da digitalização, na gestão e missão de conteúdos" e "hoje, apesar do esforço dos seus profissionais, se encontra em estado comatoso com sucessivas e inexplicáveis falhas".

O presidente do CO considerou ser "pertinente" questionar se "são adequados os meios disponíveis em recursos humanos e técnicos para responder às obrigações operacionais e institucionais, tanto na rádio como na televisão".

Por sua vez, o representante da Comissão de Trabalhadores (CT) da RTP, Paulo Mendes, teceu duras críticas ao Conselho Geral Independente (CGI) e à revisão do Contrato de Concessão de Serviço Público de Rádio e de Televisão (CCSPRT).

Sobre o CGI, disse que o órgão "não é reformável por dentro", mas antes "extinguível".

Relativamente ao novo CCSPRT, afirmou que o "que assusta é a falta" de visão.

"Gostaríamos que tivéssemos tido esta discussão [o debate sobre o novo contrato] há dois anos, porque o documento que estaríamos aqui a discutir seria bem melhor do que este que foi apresentado agora", concluiu Paulo Mendes.

Lusa

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Considera que o novo governo vai cumprir o mandato?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas