MADEIRA Meteorologia

Reclusos em prisão sobrelotada na Venezuela amotinam-se para exigir transferência

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
21 Maio 2022
22:39

Dezenas de reclusos numa prisão sobrelotada em Acarígua, 345 quilómetros a sudoeste de Caracas, no estado venezuelano de Portuguesa, amotinaram-se hoje para exigirem transferência para outros centros prisionais, anunciaram organizações não-governamentais.

O motim, divulgado pelas organizações "Una Ventana a la Libertad" (UVL, Uma janela para a liberdade) e Observatório Venezuelano de Prisões (OVP), acontece depois de 480 presos de uma outra prisão terem iniciado uma greve de fome para exigir medicamentos e julgamentos justos.

Segundo informação publicada pelo OVP na rede social Twitter, "o motim é liderado por 80 reclusos que exigem ser transferidos para outros centros penitenciários" e confrontos já terão resultado em cinco guardas prisionais feridos.

"Devemos recordar que a maioria dos calabouços do país estão sobrelotados e que os detidos sobrevivem em condições sub-humanas", disse o OVP.

De acordo com a UVL, que divulgou informação também na rede social Twitter, "no local estão comissões antimotim da Polícia Estatal de Portuguesa, da Guarda Nacional e bombeiros. Estão a tentar restabelecer a ordem e a segurança prisional, numa operação conjunta".

A UVL adiantou que "os familiares dos detidos denunciam sobrelotação devido ao número de detidos e que alguns deles estão doentes e sem receberem visitas desde o início da pandemia da covid-19".

Na quinta-feira, 480 presos do Centro de Arresto e Detenções Preventivas de San Carlos, no Estado venezuelano de Zúlia, 785 quilómetros a oeste de Caracas, iniciaram uma greve de fome para exigir medicamentos e para que sejam julgados pelos tribunais.

Segundo as organizações não-governamentais, alguns dos presos denunciaram que estão "até seis anos à espera do início dos julgamentos" e que "pagam para ser transferidos para o tribunal e nunca são levados à audiência".

Em abril a UVL denunciou que "pelo menos 123 presos faleceram em 302 centros de detenção preventiva" na Venezuela e que "a principal causa de morte são doenças" que ficam sem tratamento.

Segundo a imprensa local, na Venezuela há pelo menos 110.000 reclusos, 65.000 dos quais em centros de detenção preventiva, onde não deveriam permanecer mais de 48 horas.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

O presidente do Marítimo tem condições para continuar no cargo após agredir um adepto?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas