Desejo de encurtar horário de recolher obrigatório é "natural", mas medidas são para manter, diz Pedro Ramos

Marco Milho

O secretário regional de Saúde e Proteção Civil considera ser “natural” a reivindicação do presidente da Câmara Municipal do Porto Santo para encurtar o horário do recolher obrigatório e alargar o horário de funcionamento da restauração e comércio, face à inexistência de casos na ilha.

À margem de uma cerimónia para assinalar o Dia Nacional do Dador de Sangue, no Hospital Dr. Nélio Mendonça, Pedro Ramos lembrou que há outros concelhos que também não têm casos ativos, como o Porto Moniz, Calheta e Santana, e que cinco apresentam risco baixo/moderado, mas adiantou as medidas são para manter.

“Não podemos correr riscos que anteriormente corremos e os resultados não foram muito positivos”, ressalvou o governante. “Tal como o presidente do Governo Regional anunciou, estas medidas são para manter. Vamos começar agora com novas medidas no que diz respeito aos lares, um setor muito vulnerável, no que diz respeito à educação, onde tem havido alguns surtos, e já vamos no quarto momento de testagem na área educativa."