MADEIRA Meteorologia

CDU diz que é preciso “travar os sucessivos atentados à lei laboral”

Data de publicação
22 Fevereiro 2024
16:34

A CDU realizou esta tarde, junto aos Horários do Funchal, uma iniciativa em que foram apresentados compromissos da candidatura quanto aos direitos laborais e a dignidade de quem trabalha, tendo a cabeça-de -lista da CDU às próximas Eleições Legislativas, vincado ser necessário “travar os sucessivos atentados à lei laboral”.

De acordo com Sílvia Vasconcelos, “é preciso combater a precariedade laboral. Está comprovado que esta, usada como medida de gestão empresarial dos recursos humanos, prejudica a saúde e a segurança de quem trabalha, estando mesmo diretamente correlacionada com a maior sinistralidade laboral no nosso país”. Disse ainda Sílvia Vasconcelos que a “CDU defende a dignificação do trabalho e de quem trabalha! E quando se fala de dignidade laboral e de dignificação do trabalho, fala-se de proteção social e do fortalecimento dos direitos dos próprios trabalhadores; da melhoria dos seus rendimentos; da mobilização de novos e mais instrumentos que fomentem a negociação coletiva e da conciliação e equilíbrio entre a vida profissional, familiar e pessoal de quem trabalha.

Portugal tem os trabalhadores mais insatisfeitos, a nível europeu, segundo um estudo do Eurostat: auferem salários baixos que não fazem face ao elevado custo de vida em Portugal, com a inflação na dianteira do aumento salarial, com os produtos alimentares a preços preocupantes, a habitação com rendas e juros insuportáveis e outros serviços essenciais a aumentar sem que os salários os possam acompanhar”.

Por outro lado, a desigualdade salarial entre os géneros, no país, “é das maiores da Europa, e mais uma vez se atenta a um princípio constitucional”.

Para a candidata da CDU, “há muito trabalho e reivindicações a fazer para tornar mais justa a lei laboral no nosso país, e esse é um compromisso distintivo da CDU: pugnar para aumentar o salário em 150 euros no sector público e privado; pela valorização das carreiras e profissões ; pelo aumento do salário médio; pelo aumento do salário mínimo nacional para 1000 euros já em 2024; pelo fim da caducidade da contratação coletiva; pela reposição do princípio mais favorável ao trabalhador; pela implementação das 35 horas para todos os trabalhadores ; pelo combate à desregulação dos horários de trabalho; pelo fim do SIDAP”.

OPINIÃO EM DESTAQUE
Coordenadora do Centro de Estudos de Bioética – Pólo Madeira
11/04/2024 08:00

A finitude da vida é um tema que nos confronta com a essência da nossa existência, levando-nos a refletir sobre o significado e o propósito da nossa passagem...

Ver todos os artigos

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Concorda com a mudança regular da hora duas vezes por ano?

Enviar Resultados
RJM PODCASTS

Mais Lidas

Últimas