MADEIRA Meteorologia

Advogado de Pedro Calado defende mais juízes de instrução para evitar detenção excessiva

Data de publicação
07 Fevereiro 2024
20:25

O advogado do ex-presidente da Câmara do Funchal considerou hoje que, perante as preocupações com a demora na inquirição dos detidos, devia haver mais juízes a ouvir os arguidos.

“Se o Conselho Superior da Magistratura está preocupado, e tem boas razões para estar, podia ter mais juízes de instrução para ouvir os arguidos”, afirmou Paulo Sá e Cunha, questionando que se neste momento “há dois juízes a despachar” o processo, porque é que não há dois juízes a ouvir os arguidos ou até mesmo três.

“Não vejo nenhum obstáculo a isto e isso tinha aligeirado as coisas e nós não tínhamos entrado no exagero que, de facto, parece que agora começa a ser em termos de tempo excessivo”, acrescentou.

À saída do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), no Campus de Justiça, em Lisboa, após o segundo dia de inquirição de Pedro Calado, Paulo Sá e Cunha respondeu desta forma às questões sobre os 15 dias de detenção dos arguidos sem que conheçam as medidas de coação.

Pedro Calado cumpriu hoje o segundo dia de inquirição a cargo do juiz de instrução criminal Jorge Bernardes de Melo, depois de, na terça-feira, ter sido ouvido perto de três horas na parte da manhã e meia hora à tarde, tendo os trabalhos terminado cerca das 17:30.

Em relação ao teor do interrogatório, Sá e Cunha reafirmou que este “está a ser muito longo” e que normalmente “são mais rápidos e que as medidas de coação são conhecidas a seguir”.

O Conselho Superior da Magistratura (CSM) disse em 31 de janeiro que estava “preocupado” com a demora nos primeiros interrogatórios judiciais, e admitiu estudar “soluções práticas” para fazer face à limitação de um direito constitucional dos arguidos, sugerindo mudanças na lei.

O advogado de Pedro Calado disse que o seu constituinte “está cansado”, mas continua a responder ao juiz e a defender-se dos factos de que está indiciado pelo Ministério Público.

Questionado se a inquirição terminará na quinta-feira, Sá e Cunha respondeu esperar que sim, mas não que não o pode garantir.

“As previsões da duração da diligência até aqui têm saído erradas, dependem de várias coisas”, explicou, apontando nomeadamente haver greve dos funcionários ou do número de perguntas sugeridas pelo Ministério Público.

“A defesa tem tido oportunidade de exercer os seus direitos e acho que isso é bom. Já fiz muitos interrogatórios judiciais de arguidos detidos, que foram feitos à pressa, com muita pouca ponderação dos elementos de prova e coisas que se decidiam às vezes do dia para a noite e isso é pior”, salientou Paulo Sá e Cunha, defendendo, no entanto, que não se caia no exagero, pois “duas semanas já é um tempo excessivo”.

O advogado alertou que as celas da Polícia Judiciária (PJ) apresentam “muito más condições”, pois são pequenas, não permitem visitas ou passeios fora da cela, uma vez que “não estão pensadas para manter lá pessoas ininterruptamente duas semanas”.

Ainda assim, admitiu não lhe parecer que “haja aqui detenções para investigar” e, perante uma operação de buscas “das mais espetaculares e de maior dimensão” na justiça portuguesa, num inquérito que “tem os prazos legais todos ultrapassados”, espera “que o processo conduza rapidamente a uma acusação”.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Concorda com a mudança regular da hora duas vezes por ano?

Enviar Resultados
RJM PODCASTS

Mais Lidas

Últimas